Mercado abrirá em 8 h 9 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,36
    +0,38 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.848,10
    +7,90 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    35.320,02
    -915,21 (-2,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,01
    -14,18 (-1,98%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.695,84
    +53,56 (+0,18%)
     
  • NIKKEI

    28.476,27
    -157,19 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.032,50
    +47,00 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5065
    +0,0079 (+0,12%)
     

Facebook passa a justificar quando conteúdo falso sobre COVID-19 for removido

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

O Facebook atualizou seu modelo de alerta sobre notícias falsas relacionadas à COVID-19 na rede social. Agora, a empresa não somente vai retirar um conteúdo falso do ar, bem como explicar para o usuário os motivos que levaram à exclusão da publicação.

Segundo a empresa, as notificações passaram a ser mais específicas e explicativas. Quando o usuário interagir (seja por curtida, compartilhamento ou comentário) com uma publicação falsa sobre a COVID-19, receberá uma notificação depois que a publicação for retirada da plataforma.

Ao clicar neste aviso, agora, a rede social apresenta quando e onde a pessoa interagiu com o conteúdo. Abaixo, ainda explica os motivos que levaram à retirada da publicação da rede social.

<em>Detalhes sobre publicação retirada da plataforma (Foto: Divulgação/Facebook)</em>
Detalhes sobre publicação retirada da plataforma (Foto: Divulgação/Facebook)

No exemplo apresentado pela empresa, em inglês, trata-se de um conteúdo que informava que a COVID-19 não existe, o que é mentiroso. Por fim, a plataforma ainda direciona o usuário para seu hub de informações oficiais e confiáveis sobre a COVID-19.

Segundo a empresa, a plataforma funciona em 50 línguas (incluindo português do Brasil) em um trabalho conjunto com mais de 60 agências de verificação de fatos em todo mundo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: