Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.906,66
    -5.880,12 (-10,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Facebook: investigação de conteúdo violento não prioriza o Brasil

·1 min de leitura
Documento interno aconselha que empresa foque nos Estados Unidos e no Reino Unido. Foto: Getty Images.
Documento interno aconselha que empresa foque nos Estados Unidos e no Reino Unido. Foto: Getty Images.
  • Relatório do Facebook recomenda que a empresa priorize investigação de conteúdo violento em países anglófanos;

  • Em documentos internos, o Brasil aparece como país onde conteúdos violentos estão mais presentes no Facebook e WhatsApp;

  • Uma das críticas recorrentes à companhia é que mesma negligenciaria países que considera menos importantes.

De acordo com um relatório interno do Facebook, recomenda-se que a empresa apure a movimentação de conteúdo violento na rede social e no Whatsapp, aplicativo de conversas. 

Contudo, o documento também aconselha que a divisão de integridade cívica foque nos Estados Unidos e no Reino Unido, mesmo após informações reveladas pelo “The Facebook Papers” deixarem claro que o Brasil é um “país de risco” quanto à divulgação de conteúdos tóxicos.

Leia também:

Seguindo o relatório, as publicações violentas estão mais presentes no Facebook e no WhatsApp do que no Instagram, Twitter e TikTok.

De acordo com o documento, a percepção é que o Facebook no Brasil tem mais compartilhamento de desinformação, bullying, contas falsas, roubo de identidade, violência explícita, discurso de ódio, nudez, terrorismo, exposição infantil indevida, venda de animais, venda de drogas e profanidade.

A companhia recomenda, por exemplo, que uma equipe investigue o que faz o alcance de conteúdo de exploração infantil ser maior na plataforma do que em outras, tanto no Brasil quanto na Colômbia.

A Meta afirma que o resultado das pesquisas divulgadas mostram a percepção dos usuários sobre o que veem nas redes sociais. Apesar de importantes, dependem, contudo, de fatores como o contexto cultural.

Em abril, uma ex-funcionária do Facebook afirmou que a empresa negligenciou a situação de Honduras, que utilizou a plataforma de forma autoritária.

As informações são da Istoé Dinheiro e do jornal Folha de São Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos