Mercado abrirá em 3 h 13 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,45
    +0,70 (+1,17%)
     
  • OURO

    1.725,10
    -8,50 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    51.243,88
    +2.219,54 (+4,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.026,26
    +38,16 (+3,86%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.695,30
    +81,55 (+1,23%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.153,00
    +97,75 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Facebook intensifica esforços para conter informações falsas sobre vacinas

·2 minuto de leitura
O Facebook disse que está intensificando seus esforços para conter a disseminação de informações incorretas sobre as vacinas contra a covid-19

O Facebook informou nesta segunda-feira (8) que intensificou seus esforços para conter a disseminação de informações falsas ou enganosas sobre as vacinas contra a covid-19 e divulgar fatos comprovados.

Para isso, começou a banir grupos que publicam sistematicamente informações incorretas e desacreditam afirmações verdadeiras sobre o vírus e as vacinas.

Há meses, a rede social líder tem tornado as recomendações de saúde de agências confiáveis mais visíveis e eliminado a desinformação sobre a covid-19.

Agora, com a colaboração da Organização Mundial da Saúde, ampliou uma lista de alegações sobre as vacinas que foram refutadas por cientistas e que não são bem-vindas em sua plataforma.

Esta lista inclui argumentos como o de que a covid-19 foi criada por humanos e de que seria mais seguro pegar o vírus do que tomar a vacina. Também há falsas alegações de que as vacinas são tóxicas ou causam autismo.

Os críticos do modo como o gigante das mídias sociais está lidando com a desinformação estão céticos em relação ao novo anúncio.

"O Facebook tem prometido medidas enérgicas contra a desinformação sobre a covid e os antivacinas desde o ano passado", disse no Twitter a Center for Countering Digital Hate, uma organização sem fins lucrativos de combate às manifestações de ódio digitais.

"Repetidamente ele falha em transformar esses anúncios em ação."

Grupos e contas que compartilham informações incorretas sobre o coronavírus ou tópicos relacionados serão removidos indefinidamente, alertou o Facebook.

Informações desacreditadas sobre vacinas ou a pandemia já são proibidas em anúncios na rede social.

Solicita-se aos administradores dos grupos que, antes de compartilharem publicações de membros propensos a espalhar notícias falsas, exijam que as informações sejam creditadas.

No Instagram, de propriedade do Facebook, será mais difícil encontrar contas de pessoas que desencorajam a vacinação contra a covid-19 usando ferramentas de busca automatizadas, de acordo com a rede social.

O Facebook também anunciou que recebeu mais de 50 milhões de respostas a uma pesquisa sobre covid-19 que lançou no ano passado em colaboração com duas universidades americanas.

A consulta teve como objetivo coletar informações sobre os sintomas da doença, o uso de máscaras e o acesso aos cuidados de saúde.

"O programa de pesquisa é um dos maiores já realizados e tem ajudado pesquisadores de saúde a monitorar e prever melhor a disseminação da covid-19", disse o Facebook.

"Os dados da pesquisa fornecerão uma melhor compreensão das tendências na aceitação da vacina em termos sociodemográficos, raciais, geográficos e muito mais", acrescentou.

Os resultados da pesquisa sobre os comportamentos em relação às vacinas serão compartilhadas globalmente, disse a rede social.

gc/rl/ll/rs/yow/jc/mvv