Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.664,35
    -786,85 (-0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.102,55
    -339,66 (-0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,45
    +0,22 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.671,50
    +2,90 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    19.484,45
    -73,19 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,06
    -0,92 (-0,21%)
     
  • S&P500

    3.640,47
    -78,57 (-2,11%)
     
  • DOW JONES

    29.225,61
    -458,13 (-1,54%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,93
    +0,06 (+0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.058,24
    -363,81 (-1,38%)
     
  • NASDAQ

    11.242,75
    +14,50 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3059
    +0,0079 (+0,15%)
     

Facebook está usando feed para melhorar própria imagem

·2 min de leitura
A imagem do Facebook sofreu outra surra na semana passada, quando o Wall Street Journal publicou uma série de histórias sobre a pesquisa interna da rede social, incluindo descobertas de que o Instagram era tóxico para meninas adolescentes. (REUTERS/Leah Millis) (REUTERS)
  • Rede social tem feito abordagem agressiva para melhorar a própria imagem

  • Segundo New York Times, Zuckerberg deu aprovação para o projeto no último mês

  • Gigante da tecnologia está mais uma vez na mira das polêmicas

O Facebook está supostamente tentando consertar sua imagem danificada, mostrando aos usuários histórias positivas sobre a empresa em seu feed de notícias. O New York Times noticiou na terça-feira que a rede social estava adotando uma abordagem mais agressiva como parte do Projeto Amplify, um esforço criado internamente em janeiro. A ação acontece em um momento em que a maior rede social do mundo responde a uma série de escândalos que assolam a empresa.

O CEO Mark Zuckerberg aprovou o projeto no mês passado, informou ao jornal americano. O porta-voz do Facebook Joe Osborne disse ao NY Times que a rede social não mudou sua estratégia e negou uma reunião em janeiro. Osborne também postou no Twitter que disse ao canal de notícias "chance zero" do ranking do Feed de notícias do Facebook.

"Este é um teste para uma unidade informativa marcada como proveniente do Facebook", tuitou Osborne. "Não é o primeiro desse tipo e é semelhante às iniciativas de responsabilidade corporativa que as pessoas veem em outras tecnologias e produtos de consumo." Em uma imagem compartilhada no Twitter, Osborne mostrou postagens no blog da empresa que o Facebook apresentou como parte do experimento.

O Facebook tem enfrentado maior escrutínio de legisladores e reguladores desde o escândalo de dados Cambridge Analytica em 2018, o que levanta preocupações sobre se a empresa estava fazendo o suficiente para proteger os dados pessoais de seus usuários. A rede social também foi criticada por não fazer o suficiente para conter a disseminação de desinformação sobre eleições, o coronavírus e outros assuntos.

Imagem manchada e funcionários 'preocupados' no Facebook

A imagem do Facebook sofreu outra surra na semana passada, quando o Wall Street Journal publicou uma série de histórias sobre a pesquisa interna da rede social, incluindo descobertas de que o Instagram era tóxico para meninas adolescentes. A rede social rebateu os relatos em uma longa postagem no blog, afirmando que as histórias "continham descaracterizações deliberadas" dos motivos da empresa.

O Times apontou que as contas pessoais de Zuckerberg no Facebook e no Instagram não abordaram os escândalos recentes da empresa, mas apresentaram conteúdo como o executivo pilotando "uma prancha de surfe elétrica" ​​com uma bandeira americana. No Facebook, Zuckerberg disse que "uma coisa é a mídia dizer coisas falsas sobre meu trabalho".