Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,39
    -1,28 (-2,04%)
     
  • OURO

    1.787,30
    +8,90 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    55.605,16
    -347,17 (-0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.279,22
    +16,26 (+1,29%)
     
  • S&P500

    4.133,45
    -1,49 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.891,98
    +70,68 (+0,21%)
     
  • FTSE

    6.870,51
    +10,64 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.735,75
    -58,50 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6693
    -0,0332 (-0,50%)
     

Facebook está testando adesivos pagos nos Stories e anúncios em vídeos curtos

Alveni Lisboa
·3 minuto de leitura

O Facebook vai oferecer aos criadores de conteúdo uma opção para gerar receita com os Stories. A rede social está testando uma funcionalidade que permite inserir adesivos com propagandas nas histórias compartilhadas na plataforma.

Isso abriria novas oportunidades de marketing digital para empreendedores e nova fonte de lucro para os influenciadores digitais. Em uma viagem, por exemplo, um usuário poderia usar um sticker de um hotel para divulgar o local da sua estadia, recebendo parte do valor arrecadado pelo Facebook por aquela propaganda conforme o alcance de conteúdo.

Os <em>stickers</em> patrocinados podem ser nova opção para Stories e <em>lives</em> (Imagem: Divulgação/Facebook)
Os stickers patrocinados podem ser nova opção para Stories e lives (Imagem: Divulgação/Facebook)

Apenas um pequeno número de felizardos terão acesso a essa opção durante o teste inicial, mas, caso tudo corra bem, a expectativa é levar essa novidade para o público em pouco tempo. A empresa também estuda habilitar o recurso para todos os vídeos de formato curto.

Anúncios in-stream em vídeos curtos

Outra novidade é que o Facebook já começou a inserir anúncios no meio de vídeos mais curtos, que tem entre 45 segundos e um minuto. Antes, a plataforma só colocava publicidade em conteúdos com mais de três minutos de duração. Mas isto só acontecerá se a página atender a certos critérios, como ter 600 mil minutos de tempo de exibição total e pelo menos cinco uploads realizados nos últimos 60 dias.

Também haverá novas regras para publicidade em vídeos ao vivo. Será necessário ter pelo menos 60 mil minutos de tempo de exibição nas lives no mesmo período para se qualificar. A plataforma social está expandindo as lives pagas para outros 24 países — o Brasil já foi contemplado antes — e liberando a opção de assinaturas de fãs, que pagam uma taxa mensal para ajudar seus criadores de conteúdo favoritos, em mais 10 regiões.

Gorjetas virtuais para incentivar lives

O Facebook vai investir US$ 7 milhões para promover a moeda virtual Stars. Nesta modalidade, os usuários podem pagar gorjetas aos criadores que promovem transmissões ao vivo. A meta é utilizar esse valor para custear o recurso neste início, oferecendo gratuitamente as estrelinhas durante as lives. Os comentários enviados com Stars tem mais visibilidade que os demais, o que possibilita maior conexão entre o doador e o streamer.

As Stars funcionam como os Bits na Twitch, permitindo presentear o criador de conteúdo com gorjetas. (Imagem: Divulgação/Facebook)
As Stars funcionam como os Bits na Twitch, permitindo presentear o criador de conteúdo com gorjetas. (Imagem: Divulgação/Facebook)

Está nos planos da Gigante das Redes Sociais usar as estrelas também em vídeos sob demanda. Para garantir que a moeda caia no gosto popular, a plataforma atualizou os critérios mínimos de elegibilidade para que os criadores possam se tornarem parceiros e desbloquear mais opções de monetização.

Busca por fontes extras de monetização

Subsidiária da empresa de Mark Zuckerberg, o Instagram também está desenvolvendo um programa de monetização de conteúdo. Assim, os usuários seriam remunerados pelo alcance e engajamento que os seus posts tiveram na rede social, em um modelo similar ao do YouTube.

Outra concorrente que está implantando novidades é o Twitter. Com o Super Follow, os usuários pagam US$ 4,99 e tem acesso a publicações exclusivas dos seus criadores de conteúdo favoritos. Além disso, recebem uma insígnia de apoiador, newsletters, acesso à comunidade e outras vantagens.

O Super Follow traz benefícios exclusivos para quem é assinante. (Imagem: Divulgação/Twitter)
O Super Follow traz benefícios exclusivos para quem é assinante. (Imagem: Divulgação/Twitter)

O TikTok também anunciou, em meados do ano passado, que estaria preparando um fundo para reverter recursos para criadores de conteúdo na plataforma. Mais de US$ 300 milhões seriam destinados aos influenciadores, que hoje dependem exclusivamente da parceria com empresas para conseguir lucrar na rede.

Gostou das novas opções? Será que elas vão aprimorar a relação entre audiência e criadores de conteúdo? Comente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: