Mercado fechará em 6 h 25 min
  • BOVESPA

    128.472,84
    +67,49 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,77
    +0,13 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.779,00
    +10,00 (+0,57%)
     
  • BTC-USD

    32.693,30
    -1.342,22 (-3,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    799,49
    -50,85 (-5,98%)
     
  • S&P500

    4.176,31
    +9,86 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    33.454,42
    +164,34 (+0,49%)
     
  • FTSE

    7.021,29
    +3,82 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.063,50
    +28,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9969
    -0,0392 (-0,65%)
     

Facebook enfrenta perspectiva de proibição "devastadora" de transferência de dados após decisão na Irlanda

·2 minuto de leitura
Facebook

Por Conor Humphries e Douglas Busvine

DUBLIN (Reuters) - O regulador de dados da Irlanda pode retomar uma investigação que pode desencadear na proibição das transferências transatlânticas de dados do Facebook, decidiu a Suprema Corte irlandesa nesta sexta-feira, suscitando a perspectiva de uma paralisação que, segundo a empresa, teria um impacto devastador em seu o negócio.

O caso decorre de preocupações da União Europeia de que a supervisão do governo norte-americano pode não respeitar os direitos de privacidade dos cidadãos do bloco europeu quando seus dados pessoais são enviados aos Estados Unidos para uso comercial.

O Data Protection Commissioner (DPC) da Irlanda, principal regulador do Facebook na UE, abriu uma investigação em agosto e emitiu uma medida provisória que determina que o principal mecanismo que o Facebook usa para transferir dados de usuários da UE para os EUA "não pode ser usado na prática".

O Facebook contestou a investigação e a decisão preliminar (PDD), argumentando que elas ameaçavam consequências "devastadoras" e "irreversíveis" para seus negócios, que dependem do processamento de dados do usuário para veicular anúncios online direcionados.

O Tribunal Superior rejeitou o recurso nesta sexta-feira.

"Eu recuso todas as medidas solicitadas pelo FBI (Facebook Ireland) e rejeito as alegações feitas por ele no processo", disse o juiz David Barniville em uma decisão que chegou a quase 200 páginas.

"O FBI não estabeleceu nenhuma base para contestar a decisão do DPC ou o PDD ou os procedimentos para a investigação adotados pelo DPC", disse o veredicto.

Embora a decisão não acione a interrupção imediata do fluxo de dados, o ativista austríaco de privacidade Max Schrems, que forçou o regulador irlandês de dados a agir em uma série de ações judiciais nos últimos oito anos, disse acreditar que a decisão a tornou inevitável.

"Depois de oito anos, o DPC agora é obrigado a interromper as transferências de dados UE-EUA do Facebook, provavelmente antes do verão", disse.

Um porta-voz do Facebook disse que a empresa espera defender seu compliance com as regras de dados da UE, já que a medida provisória do regulador irlandês "pode ser prejudicial não apenas para o Facebook, mas também para usuários e outras empresas".

(Reportagem de Conor Humphries, Douglas Busvine e Padraic Halpin)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos