Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,70
    -1,27 (-1,76%)
     
  • OURO

    1.765,90
    +14,50 (+0,83%)
     
  • BTC-USD

    43.333,81
    -4.251,83 (-8,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.076,57
    -57,81 (-5,10%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.995,00
    -331,00 (-2,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2475
    +0,0481 (+0,78%)
     

Facebook elimina ‘proativamente’ conteúdo sobre Talibã

(Bloomberg) -- Um executivo do Facebook disse que a empresa está removendo “proativamente” conteúdo de suas plataformas que promova o Talibã, que tomou o poder no Afeganistão.

O Talibã está na lista de organizações classificadas como perigosas pela empresa e, portanto, qualquer conteúdo que promova ou represente o grupo é proibido, disse Adam Mosseri, responsável pelo Instagram, controlado pelo Facebook, em entrevista à Bloomberg Television na segunda-feira.

“Estamos contando com essa política para remover proativamente qualquer coisa que possa ser perigosa ou que esteja relacionada ao Talibã em geral”, disse Mosseri. “Esta situação está evoluindo rapidamente e, com isso, tenho certeza de que o risco também evoluirá. Teremos que modificar o que fazemos e como fazemos para responder a esses riscos variáveis à medida que acontecem.”

Milhares de pessoas buscam fugir do Afeganistão depois que o Talibã assumiu o controle da capital Cabul. Na segunda-feira, os EUA disseram que estão tomando medidas para proteger o aeroporto e retirar cidadãos americanos, bem como funcionários no país e suas famílias. O presidente Ashraf Ghani, apoiado pelo governo americano, fugiu do país, e o Talibã disse que logo declararia um novo “Emirado Islâmico do Afeganistão” após tomar o palácio presidencial.

O Talibã usa as redes sociais para mobilizar apoio, disse Emerson Brooking, pesquisador sênior do Atlantic Council e coautor de “LikeWar: The Weaponization of Social Media”. “As decisões que serão tomadas pelo Facebook e Twitter nos próximos dias terão impacto direto na vida de muitas pessoas que se encontram sob domínio do Talibã”, disse Brooking em entrevista à Bloomberg Television.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos