Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,27
    +0,45 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.817,30
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    42.980,52
    -326,68 (-0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +21,00 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3174
    -0,0154 (-0,24%)
     

Facebook é multado em R$ 390 milhões por se recusar a fornecer informações

·1 min de leitura
Logo do Facebook analisado com lupa
Segundo a CMA, essa é a primeira vez que uma empresa se recusa a prover informações aos reguladores

(Chesnot/Getty Images)

  • Facebook é multado em R$ 390 milhões no Reino Unido

  • Caso teve início com a compra da plataforma Giphy

  • Sanção foi aplicada após recusa em fornecer informações a um órgão regulador e a parar as integrações entre Facebook e Giphy

O Facebook foi multado em 50,5 milhões de libras após desobedecer às imposições da Autoridade de Competição de Mercados (CMA) do Reino Unido. O valor equivale a R$ 390 milhões, em conversão direta.

O caso teve início após a rede social de Mark Zuckerberg adquirir, por US$ 400 milhões (R$ 2,2 bilhões) a plataforma Giphy em 2020. Na época, a CMA entrou com uma investigação formal para entender se a compra resultava em uma ação anticompetitiva no setor.

Leia também:

Até que tivesse esse ponto esclarecido, o órgão demandou que o Facebook fornecesse atualizações constantes aos reguladores e não realizasse integrações entre os serviços. Segundo a CMA, a empresa descumpriu ambas as regras.

Conforme divulgado pelo TecMundo, a desobediência foi apontada como uma "estratégia arriscada" por parte do Facebook, sendo a primeira vez que uma empresa se recusa a prover informações. Como a compra da plataforma ainda não foi totalmente avaliada, existe o risco de ser cancelada.

O caso com a Giphy também foi alvo de investigações por parte de outros países. Nos Estados Unidos, houve até movimentações de ações para evitar a análise dos órgãos reguladores.

Em nota enviada ao jornal The Guardian, o Facebook disse “discordar veementemente da decisão injusta do CMA” e que irá “revisar a decisão” e considerar as opções legais disponíveis.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos