Mercado abrirá em 2 h 28 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,77
    +0,72 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.700,50
    +22,50 (+1,34%)
     
  • BTC-USD

    54.167,82
    +4.469,05 (+8,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,89
    +69,68 (+6,80%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.751,25
    +32,12 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.542,75
    +245,50 (+2,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Facebook e Instagram revelam números de postagens tóxicas removidas em 2020

Ramon de Souza
·3 minuto de leitura

Por mais caótico que 2020 possa ter sido, o Facebook conseguiu garantir que seus usuários não visualizassem conteúdos tóxicos na rede social e no Instagram ao longo do último trimestre do ano. A companhia publicou, nesta quinta-feira (11), seu mais recente Relatório de Aplicação dos Padrões da Comunidade, que fornece métricas detalhadas sobre a aplicação de suas políticas de privacidade e regras de uso para os internautas.

Segundo a companhia, a prevalência de discurso de ódio caiu de 0,10 – 0,11% para 0,07 – 0,08%, o que simboliza no máximo oito visualizações de discurso de ódio para cada 10 mil visualizações de conteúdo. Já a prevalência de conteúdo violento e gráfico também caiu de 0,07% para 0,05%, enquanto o conteúdo de nudez adulta caiu de 0,05 – 0,06% para 0,03 – 0,04%. Todos são resultados bastante positivos.

“Essas melhorias estão ligadas às alterações de classificação que fizemos para reduzir o conteúdo problemático no feed. Cada publicação é classificada por meio de processos que levam em consideração uma combinação de sinais de integridade, como a probabilidade de um conteúdo violar nossas políticas, bem como aqueles que recebemos das pessoas em pesquisas ou ações realizadas, como esconder ou denunciar publicações”, explica.

<em>Imagem: Reprodução/News AU</em>
Imagem: Reprodução/News AU

Outra estatística positiva é a taxa proativa — ou seja, porcentagem de conteúdos tóxicos que são detectados pelo Facebook antes mesmo que qualquer internauta faça uma denúncia. Na categoria de bullying e assédio, a taxa foi de 26% no terceiro trimestre para 49% no quarto trimestre no Facebook e de 55% para 80% no Instagram; a companhia garante que o uso de inteligência artificial é uma importante aliada para tais resultados.

Confira a quantidade de conteúdos removidos no Facebook:

  • 6,3 milhões de peças de bullying e assédio, ante 3,5 milhões no terceiro trimestre;

  • 6,4 milhões de peças de ódio organizado, ante 4 milhões do terceiro trimestre;

  • 26,9 milhões de peças de discurso de ódio, ante 22,1 milhões do terceiro trimestre;

  • 2,5 milhões de peças de suicídio e automutilação, ante 1,3milhão no terceiro trimestre.

Confira a quantidade de conteúdos removidos no Instagram:

  • 5 milhões de peças de bullying e assédio, ante 2,6 milhões no terceiro trimestre;

  • 308 mil peças de ódio organizado, ante 224 mil no terceiro trimestre;

  • 6,6 milhões de peças de discurso de ódio, ante 6,5 milhões no terceiro trimestre;

  • 3,4 milhões de peças de suicídio e automutilação, ante 1,3 milhão no terceiro trimestre.

<em>Imagem: Reprodução/Brett Jordan (Unsplash)</em>
Imagem: Reprodução/Brett Jordan (Unsplash)

E os próximos passos?

Segundo o Facebook, a ideia é compartilhar ainda mais métricas em 2021 e facilitar a compreensão desses resultados para o público final, com relatórios mais amigáveis e interativos. A rede social garante que possui um compromisso com a transparência e que a divulgação desses dados faz parte dessa missão.

“Também acreditamos que nenhuma empresa deve atribuir uma nota ao seu próprio trabalho. Por isso, no ano passado, nos comprometemos a nos submeter a uma auditoria independente, conduzida por terceiros, dos nossos sistemas de moderação de conteúdo e para validar os números que vamos publicar. Esse processo começará neste ano”, finaliza a empresa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: