Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.779,60
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    33.871,28
    +1.172,73 (+3,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    804,91
    +10,58 (+1,33%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.511,72
    +201,96 (+0,71%)
     
  • NIKKEI

    28.938,58
    +54,45 (+0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.281,25
    +23,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9152
    -0,0046 (-0,08%)
     

Facebook e Instagram darão opção de ocultar 'curtidas'

·2 minuto de leitura
O Facebook e Instagram darão aos usuários a possibilidade de ocultar o número de "curtidas" nas publicações, uma medida que não resolve o debate sobre os efeitos potencialmente nocivos da busca por aprovação nas redes sociais

O Facebook e Instagram darão aos usuários a possibilidade de ocultar o número de "curtidas" nas publicações, uma medida que não resolve o debate sobre os efeitos potencialmente nocivos da busca por aprovação nas redes sociais.

Os usuários das duas plataformas do grupo Facebook terão a opção de desativar o número de "curtidas" sobre os conteúdos que publicam em suas contas.

Também poderão suspender este índice de popularidade para as imagens e mensagens que publicam online.

O chefe do Instagram, Adam Mosseri, antecipa que os pequenos criadores que tentam ganhar seguidores vão relutar para eliminar as "curtidas", já que normalmente tentam aumentar sua popularidade mostrando quanta gente apoia suas publicações.

A busca pela "curtida" preocupa muitos psicólogos, principalmente pela saúde mental dos adolescentes, expostos diariamente a uma visão embelezada e completamente artificial de seu entorno e do que os rodeia, além dos riscos de assédio online.

"No Instagram acontecem coisas prejudiciais, nós vemos", reconheceu Mosseri. "Com 1 bilhão de pessoas (no aplicativo), temos toda a humanidade, os bons, os maldosos e os bandidos".

"É nossa responsabilidade ampliar o bom e reduzir o mau na medida do possível", acrescentou.

O gigante das redes sociais não decidiu, no entanto, eliminar a contagem de "curtidas", já que as pesquisas realizadas sobre as possíveis consequências dessa medida, feitas desde 2019 com grupos de teste, foram inconclusivas, segundo a empresa com sede em São Francisco.

"Os criadores (de conteúdo) estavam muito divididos", explicou Mosseri. "Os criadores menores ficaram mais preocupados no geral porque estão tentando averiguar o que interessa ao seu público. (...) Os influenciadores já estabelecidos estavam mais abertos à ideia, porque têm menos necessidade de provar o seu valor".

A nova opção não muda o funcionamento do algoritmo que escolhe as publicações que aparecem nos filtros personalizados. O sistema prevê quais conteúdos podem interessar cada usuário de acordo com uma série de critérios, como a quantidade de "curtidas", mas também seus gostos, hábitos etc.

juj/led/gma/lda/tt/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos