Mercado fechará em 5 h 18 min
  • BOVESPA

    112.054,08
    +175,55 (+0,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,11
    -0,17 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.839,20
    +9,00 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    19.339,25
    +389,99 (+2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,92
    +15,00 (+4,11%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.484,97
    +21,58 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.484,75
    +30,50 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2912
    -0,0286 (-0,45%)
     

Facebook divulga dados sobre discurso de ódio em plataforma

Por Elizabeth Culliford
·2 minuto de leitura
.
.

Por Elizabeth Culliford

(Reuters) - O Facebook divulgou nesta quinta-feira pela primeira vez números sobre o predomínio do discurso de ódio em sua plataforma, dizendo que de cada 10 mil visualizações de conteúdo no terceiro trimestre, 10 a 11 incluíam discurso de ódio.

A maior empresa de mídia social do mundo, sob escrutínio sobre seu policiamento de abusos, especialmente em torno da eleição presidencial dos Estados Unidos de novembro, divulgou a estimativa em relatório de moderação de conteúdo trimestral.

O Facebook disse que tomou medidas em relação a 22,1 milhões de peças de conteúdo de discurso de ódio no terceiro trimestre, cerca de 95% dos quais foram identificados de forma proativa. No trimestre anterior, foram 22,5 milhões.

O Facebook define "agir" como práticas que incluem remoção de conteúdo, cobertura dele com um aviso, desativação de contas ou encaminhamento para agências externas.

O site de compartilhamento de fotos da companhia, Instagram, tomou medidas em 6,5 milhões de peças de conteúdo de discurso de ódio, contra 3,2 milhões no segundo trimestre. Cerca de 95% disso foi identificado de forma proativa, um aumento de 10% em relação ao trimestre anterior.

Em meados do ano, grupos de direitos civis organizaram um boicote generalizado de publicidade no Facebook para tentar pressionar as empresas de mídia social a agirem contra o discurso de ódio.

Em outubro, o Facebook anunciou atualização de sua política contra discurso de ódio para banir qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto, uma reviravolta nos comentários públicos que o presidente-executivo da rede social, Mark Zuckerberg, fez sobre o que deveria ser permitido na plataforma.

O Facebook também disse que tomou medidas em relação a 19,2 milhões de peças de conteúdo violento e gráfico no terceiro trimestre, contra 15 milhões no segundo. No Instagram, atuou em 4,1 milhões de peças de conteúdo violento e gráfico, ante 3,1 milhões no segundo trimestre.

O Facebook disse que suas taxas de localização de conteúdo que viola regras antes que os usuários denunciem aumentaram na maioria das áreas, devido a melhorias nas ferramentas de inteligência artificial e à expansão de suas tecnologias de detecção para mais idiomas.

A rede social também comentou que a pandemia de Covid-19 continuou a perturbar sua força de trabalho de revisão de conteúdo, embora tenha dito que algumas medidas de fiscalização estão voltando aos níveis pré-pandêmicos.

O Facebook informou que tomou medidas em relação a 12,4 milhões de peças de nudez infantil e conteúdo de exploração sexual, ante 9,5 milhões no trimestre anterior.