Mercado abrirá em 1 h 43 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,73
    +0,68 (+1,05%)
     
  • OURO

    1.700,70
    +22,70 (+1,35%)
     
  • BTC-USD

    54.193,99
    +4.229,34 (+8,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.094,46
    +70,26 (+6,86%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.754,28
    +35,15 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.563,75
    +266,50 (+2,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9947
    +0,0349 (+0,50%)
     

Facebook desafia Austrália e bloqueia compartilhamento de notícias

Holly ROBERTSON
·4 minuto de leitura
O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg

O governo australiano reagiu com irritação, nesta quinta-feira (18), ao bloqueio por parte do Facebook de notícias no país, em represália por um projeto de lei que pretende forçar a rede social a pagar a imprensa por utilizar seus conteúdos.

Nesta quinta-feira, os australianos que usam o Facebook não conseguiram consultar os links de notícias dos meios de comunicação locais, ou internacionais, e as pessoas que moram no exterior também não tinham acesso às informações australianas.

O ministro australiano das Finanças, Josh Frydenberg, chamou a medida do Facebook de "inútil e autoritária", algo que vai "manchar sua reputação na Austrália".

Frydenberg declarou que o governo está "totalmente determinado" a implementar seu projeto de lei que visa a obrigar as plataformas digitais a remunerarem a mídia pelo uso de seus conteúdos.

O projeto foi aprovado na semana passada pela Câmara dos Deputados e agora está sendo debatido no Senado.

"O que os eventos de hoje confirmam para todos os australianos é a posição de domínio destes gigantes em nossa economia", acrescentou, poucas horas depois de afirmar, no Twitter, que havia tido uma "conversa construtiva" com o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg.

Nesta quinta-feira, as contas na rede social dos serviços de bombeiros, saúde e meteorologia, que servem para alertar a população, pararam de funcionar.

- "Mudança preocupante" -

Um porta-voz do Facebook afirmou que os sites oficiais do governo "não deveriam ser afetados" pelas represálias e prometeu o restabelecimento de todas as páginas que foram "afetadas por descuido".

Outros sites do país também foram atingidos pela medida e o funcionamento estava sendo normalizado com o passar das horas.

A diretora da ONG Human Rights Watch (HRW) na Austrália, Elaine Pearson, classificou o bloqueio - que também afetou ONGs e a página da HRW no Facebook - de "mudança preocupante e perigosa".

"Cortar o acesso a informações vitais para todo um país em plena noite é inadmissível", declarou.

O governo australiano e as empresas jornalísticas estão preocupados com uma eventual proliferação de informações falsas. Isto porque as páginas do Facebook que divulgam teorias da conspiração e "fake news" não foram afetadas pela medida.

O ministro das Comunicações, Paul Fletcher, pediu ao Facebook para refletir "cuidadosamente" sobre o bloqueio dos sites de organizações que empregam jornalistas profissionais e que têm uma política editorial e de verificação de informações.

O Facebook alega que não tem alternativa, exceto bloquear estas informações.

- "Escolha difícil" -

"A lei proposta interpreta mal a relação entre nossa plataforma e a mídia que a usa para compartilhar conteúdo de notícias", declarou o diretor do Facebook para a Austrália e a Nova Zelândia, William Easton.

"Isso nos deixou diante de uma escolha difícil: tentar cumprir uma lei que ignora a realidade dessa relação, ou parar de permitir conteúdo de notícias em nossos serviços na Austrália. Com um peso no coração, estamos escolhendo a segunda opção", completou.

A reação do Facebook foi na direção contrária ao Google, que na quarta-feira aceitou pagar "quantias significativas" pelos conteúdos do grupo de imprensa News Corp., do empresário Rupert Murdoch.

Este é o primeiro contrato do tipo assinado por uma grande empresa de jornalismo. A News Corp. teve um papel determinante para que o governo conservador australiano atacasse os gigantes da tecnologia.

De acordo com Easton, o Facebook alegou às autoridades australianas que "a troca entre o Facebook e os editores favorece mais os últimos" e gera centenas de milhões de dólares de receita para os grupos de imprensa australianos.

"Infelizmente, essa legislação não faz isso. Em vez disso, busca penalizar o Facebook por conteúdos que não pegou, nem solicitou", disse.

O mundo inteiro acompanha de perto a iniciativa australiana, no momento em que a imprensa sofre com uma economia digital na qual os gigantes da tecnologia recebem uma fatia cada vez maior da receita com publicidade.

Segundo as autoridades australianas de concorrência, o Google capta 53% da publicidade no país, e o Facebook, 28%, enquanto o restante é distribuído entre outros personagens do mercado, como empresas de mídia, algo insuficiente para financiar o jornalismo de qualidade.

A crise da imprensa se agravou com a crise econômica provocada pela pandemia do coronavírus. Na Austrália, dezenas de jornais fecharam, e centenas de jornalistas perderam o emprego.

burs-hr/arb/qan/juf/roc/af/bl/fp/tt