Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,91
    -0,24 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.736,10
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    62.966,31
    -369,63 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.370,89
    -4,89 (-0,36%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.723,50
    -177,33 (-0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.694,60
    +73,61 (+0,25%)
     
  • NASDAQ

    13.802,00
    +3,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Facebook cria pulseira para controlar realidade aumentada "lendo seu cérebro"

Ramon de Souza
·3 minuto de leitura

Não é novidade alguma que o Facebook está investindo com força no campo de realidade aumentada (RA) — a companhia chegou a fundar o Reality Labs, divisão projetada especificamente para trabalhar em inovações nesse sentido. E uma das preocupações de tal equipe é como tornar a comunicação entre o ser humano e as interfaces de RA mais amigáveis e naturais, indo além dos óculos disponíveis comercialmente no mercado. Acredite ou não: a rede social parece ter encontrado uma solução interessante.

Em uma extensa publicação que detalha os planos do Reality Labs para os próximos dez anos, a rede social comentou a respeito de alguns desafios enfrentados nesse processo e demonstrou uma pulseira capaz de se comunicar diretamente com as ondas eletromagnéticas cerebrais do usuário, efetivamente “lendo” seus pensamentos e tornando os comandos via gestos muito mais naturais. Nada se sensores ou câmeras aqui; a ideia é realmente integrar o corpo com a tecnologia.

“O que estamos tentando fazer com as interfaces neurais é permitir que você controle a máquina diretamente, usando a saída do sistema nervoso periférico — especificamente os nervos fora do cérebro que animam os músculos de sua mão e dedo”, explica Thomas Reardon, diretor de interfaces neuromotoras do Reality Labs. O produto mostrado em vídeo é um conceito — ou seja, não se anime para ver o gadget disponível nas gôndolas em um futuro próximo. Ainda assim, a ideia é animadora.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Vale a pena fazer uma rápida explicação aqui: nossa atividade cerebral possui ondas eletromagnéticas que viajam por nossa medula espinhal, enviando sinais que atingem os músculos específicos necessários para uma simples movimentação como abrir e fechar a mão. Através da técnica conhecida como eletromiografia (constantemente usada para fins de medicina), é possível mapear essa série de sinais elétricos e transformá-los em uma entrada para sistemas computadorizados.

Em resumo, a pulseira funcionaria mais ou menos como o projeto Neuralink, de Elon Musk, mas sendo bem menos invasivo, já que a leitura dos sinais seria feita pela pulseira. “Os sinais através do pulso são tão claros que a eletromiografia consegue entender o movimento dos dedos de apenas um milímetro. Isso significa que a entrada pode ser fácil. Em última análise, pode até ser possível sentir apenas a intenção de mover um dedo”, explica a rede social.

Mas, afinal, porque uma pulseira?

A companhia explica. "Existem muitas outras fontes de entrada disponíveis, todas úteis. A voz é intuitiva, mas não privada o suficiente para a esfera pública ou confiável o suficiente devido ao ruído ambiente. Um dispositivo separado que você pode armazenar no bolso, como um telefone ou um gamepad, adiciona uma camada de atrito entre você e o ambiente. À medida que explorávamos as possibilidades, colocar um dispositivo de entrada no pulso tornou-se a resposta clara: o pulso é um lugar tradicional para usar um relógio, o que significa que ele pode se encaixar razoavelmente na vida cotidiana e em contextos sociais", explica.

<em>Imagem: Divulgação/Facebook</em>
Imagem: Divulgação/Facebook

Claro, este é só um dos experimentos do Reality Labs para otimizar a RA. A companhia também trabalha no uso de inteligência artificial (IA) para que os sistemas possam entender contextos e personalizar o escopo de suas ações. “Trata-se de construir uma interface que pode se adaptar a você e exigirá a construção de modelos poderosos de IA que podem fazer inferências profundas sobre quais informações você pode precisar; ou coisas que pode querer fazer em vários contextos, com base em um entendimento de você e seu ambiente”, complementa a marca.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: