Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.339,44
    -151,65 (-0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2027
    -0,1210 (-2,27%)
     

Facebook começa a compartilhar a receita de música usadas na plataforma

Meta anunciou monetização nos vídeos do Facebook (Getty Image)
Meta anunciou monetização nos vídeos do Facebook (Getty Image)
  • Facebook começará a pagar criadores de conteúdos;

  • É preciso utilizar as músicas licenciadas nas publicações;

  • Recurso começa a ser liberado nos Estados Unidos nesta semana.

A Meta decidiu fazer mais uma mudança na forma de funcionamento do Facebook. Depois de alterar a forma como os usuários veem as publicações, a rede social ajudará os criadores a ganhar dinheiro com vídeos que usam música licenciada.

O Rights Manager foi criado em parceria com a indústria musical. Com o recurso, os criadores de conteúdo receberão 20% da receita dos vídeos elegíveis, sendo que uma parte é separada para os detentores dos direitos das canções.

Cada vez que o usuário utilizar uma música licenciada em um vídeo publicado na rede social com 60 segundos ou mais, poderá ganhar dinheiro por meio de anúncios que circulam na plataforma.

A Meta reforça que os criadores devem estar de acordo com os requisitos para anúncios no Facebook, além de atender aos padrões de qualificação de monetização. Na prática, isso significa que as publicações que não são “family friendly” podem ter dificuldades de conseguir monetização.

Além disso, a companhia reforça que é necessário que exista um componente visual no vídeo, como uma receita, um tutorial ou uma filmagem autoral, e que a música licenciada não pode ser o conteúdo principal da gravação.

A novidade passa a valor nesta semana. No começo, os vídeos elegíveis ganharão dinheiro com anúncios in-stream entregues inicialmente nos EUA. A ideia é que o recurso seja disponibilizado para o resto do mundo nos próximos meses.

Essa talvez seja uma forma de fazer as pazes com a indústria musical. Na semana passada, a Meta foi processada pela empresa Epidemic Sound, que licencia música de fundo e efeitos sonoros para conteúdo de criadores. A distribuidora diz que 1.000 de seus trabalhos foram carregados e usados ​​nas plataformas da Meta sem licença.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos