Mercado fechado

Facebook busca sistema operacional próprio conforme investe mais em hardware

Felipe Junqueira

O Facebook está considerando desenvolver o próprio sistema operacional para usar em seu hardware no futuro, segundo reportagem do site The Information. A empresa de Mark Zuckerberg não quer mais depender do Android para o Portal e Oculus, e estuda um investimento grande para oferecer a própria solução a seus clientes.

Mais do que isso, o Facebook pensa em ampliar a oferta de dispositivos próprios. Apesar das vendas abaixo do esperado no portal, a empresa não quer depender de terceiros. Assim, o co-criador do Windows NT, Mark Lucovsky, foi convidado para criar do zero um novo sistema operacional para a empresa de rede social, diz a publicação.

“Queremos ter certeza que a próxima geração tenha espaço para nós. Não confiamos no mercado ou nos concorrentes para garantir que esse seja o caso. Então vamos fazer nós mesmos”, disse o vice-presidente de hardware do Facebook, Andrew ‘Boz’ Borworth.

Com um sistema próprio, o Facebook pode oferecer mais interação social em seus dispositivos, evitar que futuros problemas com o Google ponham em xeque o Oculus, Portal e outros dispositivos que a rede social venha a produzir no futuro e dar ainda mais liberdade para criar e customizar seus produtos.

Facebook Portal é a linha de produtos para videochamadas (Foto: Kurt Wagner/Reprodução Tiwtter)

A empresa de Mark Zuckerberg aposta forte em hardware daqui para frente. Um novo escritório está em construção cerca de 24 km ao norte da matriz no Vale do Silício. O novo prédio tem capacidade para 4.000 pessoas e será exclusivo para criar hardware. Segundo a reportagem do Information, a empresa tem equipes trabalhando em chips de silício próprios, além de uma assistente de voz com inteligência artificial e até tecnologia de leitura de mentes.

É bom lembrar que o Facebook já tentou se livrar das amarras de Google e Apple em 2013. A companhia trabalhou em um projeto secreto para desenvolver uma maneira de não depender mais das lojas oficiais dos sistemas para oferecer seus apps. No mesmo ano, a empresa projetou um smartphone com a HTC, que nunca saiu do papel.

Propaganda é a alma do negócio

Apesar das vendas consideradas baixas, os produtos do Facebook ajudam a empresa naquilo que é de fato a sua fonte de renda: publicidade. A empresa está estudando o que os usuários fazem no Oculus e no Portal para direcionar propaganda cada vez mais personalizada. Seja jogando, acessando experiências focadas em crianças ou visitando virtualmente possíveis destinos para as férias, tudo é dado para a empresa usar no direcionamento de publicidade.

O próximo passo é um programa que prevê o pensamento do usuário antes mesmo que ele faça uma ação. A interface cérebro-computador ainda não está pronta para uso em smartphones, mas já pode ser usada em outros portáteis. Assim, a empresa pode passar de vigiar o que o usuário faz para oferecer a propaganda e partir para oferecer produtos antes mesmo de o usuário se dar conta de que quer aquilo.

Em resumo: o investimento em hardware nada mais é do que uma maneira de buscar meios de ampliar o faturamento com publicidade. E um sistema operacional próprio, de quebra, ainda tira um concorrente da jogada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: