Mercado abrirá em 3 h 15 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,05
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.789,50
    +9,30 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    57.011,17
    -476,20 (-0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.296,33
    -95,38 (-6,85%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.026,30
    +6,77 (+0,10%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    14.028,50
    -1,00 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6839
    -0,0022 (-0,03%)
     

Facebook apagou mais de 1,3 bilhão de contas fake só nos últimos 3 meses de 2020

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

A disseminação de desinformação em redes sociais é um assunto sério, e cada plataforma vem adotando suas próprias medidas para controlar esse fenômeno da melhor forma possível. O Twitter, por exemplo, resolveu fechar o cerco contra quem espalha mentiras a respeito da COVID-19, banindo permanentemente quem o fizer cinco vezes. O Facebook não ficou para trás e anunciou, nesta segunda-feira (22), através de uma publicação em seu blog oficial, os resultados de seus próprios esforços para frear as fake news.

De acordo com Guy Rosen, vice-presidente de integridade da companhia, foram banidas mais de 1,3 bilhão de contas falsas só no último trimestre do ano passado. “Adotamos uma postura rígida contra essa atividade e bloqueamos milhões de contas falsas todos os dias, a maioria delas no momento da criação. Entre outubro e dezembro de 2020, desativamos mais de 1,3 bilhão delas.Também investigamos e removemos operações de influência estrangeira e doméstica que dependem de contas falsas”, explica.

“Nos últimos três anos, removemos mais de 100 redes de comportamento inautêntico coordenado (coordinated inauthentic behavior ou CIB) de nossa plataforma e mantemos o público informado sobre nossos esforços por meio de nossos relatórios mensais do CIB”, afirma o executivo. Tais redes costumam ser criadas por países estrangeiros para influenciar visões políticas e culturais no intuito de beneficiar determinado partido, ideologia ou doutrina, mas também pode ter origens "caseiras'' — ou seja, nacionais.

<em>Imagem: Reprodução/Will Francis (Unsplash)</em>
Imagem: Reprodução/Will Francis (Unsplash)

“Sabemos que, quando uma tela de aviso é colocada em uma postagem, 95% das vezes as pessoas não clicam para visualizá-la. Também notificamos a pessoa que postou e reduzimos a distribuição de páginas, grupos e domínios que compartilham informações incorretas repetidamente”, conclui Rosen. Para ajudar a identificar uma desinformação, a rede social conta com uma rede de colaboradores formada por mais de 80 profissionais independentes em 60 idiomas distintos.

Por fim, a companhia também ressaltou outras iniciativas contra as fake news, incluindo sua Central de Informações sobre a Ciência do Clima (recém-lançada no Brasil) e o Centro de Informações sobre a COVID-19. “Apesar de todos esses esforços, há quem acredite que temos interesse financeiro em fechar os olhos à desinformação. Na verdade, é o oposto. Temos toda a motivação para manter a desinformação longe de nossos aplicativos e tomamos muitas medidas para fazer isso às custas do crescimento e envolvimento do usuário”, finaliza Rosen.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: