Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.331,64
    -1.042,16 (-2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Facebook anuncia exclusão de conteúdos de apoio ao Talibã das suas plataformas

·3 minuto de leitura

O Facebook emitiu um comunicado em que afirma ter proibido conteúdos de apoio ao Talibã em todas as plataformas da empresa, o que inclui Instagram e WhatsApp. A decisão foi tomada em razão de a organização ser considerada como terrorista pela legislação dos Estados Unidos.

Com a medida, a maior rede social do mundo pretende frear a disseminação das mensagens favoráveis ao grupo, que usa as mídias sociais como trampolim para ganhar adeptos. A plataforma disse não se envolver em decisões acerca da legitimidade de governos, mas respeita a autoridade da comunidade internacional. “O Talibã é classificado como uma organização terrorista pela lei dos EUA e o banimos de nossos serviços de acordo com nossas políticas de Organização Perigosa”, disse um porta-voz da empresa ao The Independent.

O grupo Talibã está banido do Facebook, Instagram e WhatsApp (Imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)
O grupo Talibã está banido do Facebook, Instagram e WhatsApp (Imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

Essa não seria uma decisão nova do Facebook, conforme o mesmo porta-voz, afinal o grupo já era banido há pelo menos 10 anos. A mídia social observou que há uma equipe dedicada no Afeganistão, falante dos dialetos dari e pashto e com conhecimento da política local, para analisar potenciais mensagens de apoio aos extremistas. Se eles detectarem elogios, apoio ou representatividade, as contas serão imediatamente removidas.

O grupo voltou ao noticiário após tomar a capital Cabul no último domingo e declarou o país um emirado islâmico, após a fuga do então presidente Ashraf Ghani para o Tajiquistão. A retomada do poder pelo Talibã veio após a retirada das tropas estadunidenses do solo afegão no mês passado, por ordem do presidente Joe Biden, após quase 20 anos da invasão iniciada pelo ex-presidente George W. Bush.

A volta do Talibã coloca em xeque todas as conquistas sociais e de liberdade de expressão do povo afegão nos últimos tempos. O grupo é conhecido pelo radicalismo religioso a partir de uma interpretação deturpada do Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos, e pela extrema violência, em especial contra mulheres. Quando os talibãs governaram o país pela primeira vez, de 1996 até 2001, mulheres eram proibidas de estudar, trabalhar ou sair nas ruas sem cobrir todo o corpo — quem descumpria as rígidas regras isso era chicoteado, tinha partes do corpo arrancadas ou era morto.

YouTube e Twitter seguem inertes

Enquanto isso, o YouTube, pertencente ao Google, disse que depende de órgãos do governo dos EUA para definir o Talibã como uma Foreign Terrorist Organization (FTO) — Organização Terrorista Estrangeira, em tradução livre — para orientar a aplicação de sanções na plataforma quanto ao compartilhamento de vídeo por supostos grupos criminosos violentos.

O YouTube justificou a inércia com base na lista do Departamento de Estado dos EUA de FTOs, na qual o Talibã não é inscrito. O grupo é considerado apenas um Specially Designated Global Terrorist, categoria abaixo e que não representaria maior risco, segundo a agência Reuters.

Já o Twitter disse que suas políticas proíbem divulgação de organizações violentas e discursos de ódio, mas, também conforme a Reuters, não respondeu se pretende tomar alguma atitude quanto ao grupo. Lideranças do Talibã contam com centenas de milhares de seguidores na rede, além de terem usado a plataforma para celebrar a reconquista do país.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos