Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.458,57
    -1.819,48 (-4,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Facebook é acusado de censura por remover postagens pró-Palestina

·2 minuto de leitura
Facebook é acusado de censura por remover postagens pró-Palestina
Facebook é acusado de censura por remover postagens pró-Palestina

O processo de moderação de conteúdo do Facebook voltou a ser criticado durante o bombardeio de 11 dias em Gaza, em que centenas de postagens pró-Palestina foram removidas. Quase 500 remoções no Instagram e no Facebook foram documentadas pela 7amleh, que é uma organização palestina de direitos digitais sem fins lucrativos, entre 6 e 19 de maio.

A 7amleh e mais de 30 outras organizações de direitos humanos estão pedindo por mais transparência na tomada de decisões da rede social, especialmente no que se refere à Palestina como parte de uma campanha intitulada Facebook, We Need to Talk .

Em resposta ao relatório, a congressista norte-americana Rashida Tlaib escreveu uma carta às principais plataformas de mídia social solicitando mais informações sobre como determinado conteúdo palestino foi retirado do ar nas últimas semanas: “Não consigo entender como o Facebook pode justificar a censura de vozes palestinas pacíficas e, ao mesmo tempo, fornecer uma plataforma de organização para o ódio extremista.

Além disso, nas últimas semanas, usuários relataram globalmente a exclusão de várias postagens condenando o despejo de palestinos do bairro Sheikh Jarrah em Jerusalém. Em maio, o Instagram suspendeu brevemente o relato de Mona al-Kurd, uma jovem palestina cujo confronto com um colono israelense se tornou viral, por exemplo.

“Parece muito óbvio que há uma censura direcionada às vozes e experiências palestinas”, opinou Alia Taqieddin, cuja publicação no Facebook anunciando uma marcha de solidariedade pela Palestina em Seattle, onde ela mora, foi removido sem aviso ou explicação na semana passada.

Leia também!

Através de uma carta ao diretor de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, organizações como a Jewish Voice for Peace, o grupo de direitos digitais Fight for the Future e a National Lawyers Guild apelaram ao Facebook para “parar de censurar os palestinos” em todas as suas plataformas e fornecer transparência quanto a como o Facebook modera este conteúdo.

Nick Clegg, o vice-presidente do Facebook para assuntos globais, se encontrou virtualmente com o primeiro-ministro palestino Mohammad Shtayyeh e se desculpou pela empresa ter rotulado erroneamente alguns posts como incitação à violência.

“Sentimos muito por todos que sentiram que não poderiam chamar a atenção para eventos importantes ou que sentiram que isso foi uma supressão deliberada de sua voz. Essa nunca foi nossa intenção – nem queremos silenciar uma comunidade ou ponto de vista em particular”, justificou.

Fonte: The Guardian

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!