Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.993,41
    -22,04 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Fabricio Boliveira lança plataforma para cadastrar artistas negros do Rio

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 29.07.2019 - O ator Fabrício Boliveira durante evento em São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 29.07.2019 - O ator Fabrício Boliveira durante evento em São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ator Fabricio Boliveira, 38, lançou, nesta quarta (24), uma plataforma para mapear artistas negros do estado do Rio de Janeiro, e apoiá-los na elaboração de materiais de apresentação para produtores e diretores. Chamada Elenco Negro, o objetivo da iniciativa é inserir novos talentos no mercado audiovisual.

"Esse projeto é uma questão de urgência e necessidade. Porque potencializar o artista negro e periférico é uma questão de mercado de trabalho, de mostrar talento e dar oportunidades para quem deveria ter condições de ter o mínimo", afirmou Boliveira ao jornal Extra.

Para ele, ainda há pouca representatividade em produções de TV, cinema e teatro. "Vejo muitas narrativas com pessoas pretas ligadas à violência, por exemplo. Por isso é importante termos não apenas atores negros, mas autores e roteiristas. Enquanto não ocuparmos esses lugares, não veremos histórias diferentes", disse.

Zezé Motta é madrinha da plataforma. Segundo o ator revelou ao Extra, o Elenco Negro continua o trabalho iniciado pela atriz nos anos 1990 com o Centro Brasileiro de Informação e Documentação do Artista Negro (Cidan). "Zezé já interpretou minha mãe várias vezes, nós somos muito próximos. A ideia de convidá-la foi muito importante, porque a Zezé e o Cidan foram muito importantes. Tenho muitos amigos que começaram na carreira artística pelo projeto", afirmou.

A ideia, completou ele, é posteriormente ampliar a plataforma para o resto do país e fazer uma "grande rede digital de atores negros", disse. "E também lançar pessoas. Já estamos começando isso, oferecendo 50 monólogos para 50 artistas. Quando a pandemia passar ou quando pudermos sair em segurança, vamos produzir esse material com eles, presencialmente", afirmou.

O cadastro é gratuito e feito online.