Mercado abrirá em 5 h 56 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,15
    +0,28 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.925,70
    -3,80 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    23.123,80
    +332,77 (+1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.924,31
    +81,98 (+0,38%)
     
  • NIKKEI

    27.348,00
    +20,89 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.111,50
    -40,50 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5215
    +0,0059 (+0,11%)
     

Fabricante de notebook inclui línguas indígenas em sistema Linux

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Lenovo incluiu as línguas indígenas Kaingang e Nheengatu em duas linhas de seus notebooks. A atualização vale apenas para os aparelhos com o sistema operacional Lux Linux.

Segundo a companhia, a iniciativa faz parte do programa de revitalização das línguas indígenas ameaçadas de extinção, lançado em 2021 pela Motorola —braço de mobilidade da Lenovo.

A Unicamp foi responsável por desenvolver o projeto em conjunto com a Lenovo, além de tradutores nativos das línguas faladas pelos povos da Amazônia.

As línguas foram escolhidas por serem idiomas com risco de extinção e por contarem com largo material de pesquisa e publicações de centros de linguística da Unicamp. Foram traduzidas cerca de 85 mil expressões e 500 mil palavras nas duas línguas.

O Kaingang é falado por mais de 30 mil pessoas entre os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e a região Oeste do estado de São Paulo. Já a Nheengatu, conhecida como tupi moderno, é falada por 14 mil pessoas entre a região Amazônica do Brasil, Colômbia e Venezuela.