Mercado abrirá em 8 h 48 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,64
    +0,59 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.687,70
    +9,70 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    53.819,38
    +3.056,59 (+6,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.085,89
    +61,68 (+6,02%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.913,36
    +372,53 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    29.006,44
    +263,19 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.456,00
    +158,75 (+1,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

Fabricação de vacina de Oxford na Índia gera questionamento na Anvisa

IGOR GIELOW
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A origem indiana da vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford pode ser um entrave de última hora contra sua aprovação para uso emergencial no Brasil. Como o laboratório anglo-sueco está comprometido com os programas de vacinação do Reino Unido e do continente, foi indicado que os 2 milhões de doses da vacina que o Ministério da Saúde pediu seriam entregues pela farmacêutica Serum, parceira no projeto. No Brasil, a produção local da vacina de Oxford, como é chamada, será tocada pela Fiocruz. O governo federal contratou a produção de 100 milhões de doses, entre importação e fabricação própria. Dos 18 itens de verificação geral que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) disponibiliza em seu site para verificar o status da aprovação dos imunizantes, 4 estão pendentes devido a problemas relativos à fabricação do produto na Índia. São basicamente pontos em que os dados de pesquisa da chamada vacina de Oxford precisam ser comparados com a vacina do laboratório indiano. Há também a falta de indicação sobre as condições do transporte do lote para uso emergencial no Brasil, algo que parece mais simples de sanar e menor perto da dificuldade em conseguir liberar o lote para entrega. Pessoas com conhecimento do processo afirmam que a Anvisa terá de fazer vista grossa para as questões, que não teriam como ser respondidas em prazos exíguos, se pretender aprovar de forma expedita o uso. A agência define no domingo (17) se aprova a vacina e o imunizante do Butantan/Sinovac, a Coronavac. Mais cedo, o governo da Índia indicou ao do Brasil que não poderia entregar as 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca antes do início da campanha de imunização no país do sul da Ásia. Segundo um integrante do Ministério da Saúde disse a autoridades estaduais, seria impossível fazer o despacho sem um dano político irreversível ao governo do premiê Narendra Modi. O próprio presidente Jair Bolsonaro, em entrevista, sugeriu que esse seria o problema. Os indianos creditaram a um açodamento do Brasil o anúncio do envio de um avião fretado para recolher as doses da vacina, feita localmente pelo laboratório Serum. A expectativa mais realista é de que o lote seja liberado no começo da semana que vem. O governo federal queria começar a vacinação no país na quarta (20), mas tudo indica que o prazo é inexequível.