Mercado abrirá em 8 h 8 min
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,43
    -0,70 (-1,32%)
     
  • OURO

    1.861,60
    -4,30 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    30.697,37
    +883,33 (+2,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    607,19
    -72,72 (-10,70%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.545,06
    -382,70 (-1,28%)
     
  • NIKKEI

    28.619,82
    -137,04 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    13.346,75
    -48,75 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5129
    +0,0045 (+0,07%)
     

Fábio Júnior pode estrelar campanha pró-vacinação de R$ 52 milhões do Ministério da Saúde

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Fábio Jr. está internado em São Paulo (Foto: Reprodução/Instagram @fabiojroficial)
Fábio Jr. (Foto: Reprodução/Instagram @fabiojroficial)

O Ministério da Saúde planeja gastar R$ 52 milhões em uma campanha pró-vacinação com a participação do cantor Fábio Júnior, apesar da falta de recursos para a compra de seringas. A informação foi divulgada pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.

A campanha publicitária foi apresentada nesta semana e aguarda o aval do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Na proposta, Fábio Júnior canta sua versão de “Ai, que saudade d’ocê”.

Leia também

SERINGAS

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta semana que o Ministério da Saúde suspendeu a compra de seringas “até que os preços voltem à normalidade”. Segundo ele, estados e municípios têm estoques do material para o início da vacinação contra covid-19.

O primeiro pregão para compra de seringas feito pelo Ministério da Saúde previa a compra de 331 milhões de unidades, mas as empresas que participaram ofertaram 7,9 milhões, o que correspondeu a 2,4% do total.

"Como houve interesse do Ministério da Saúde em adquirir seringas para seu estoque regulador, os preços dispararam e o MS suspendeu a compra até que os preços voltem à normalidade", escreveu o presidente em uma rede social.

"Estados e municípios têm estoques de seringas para o início das vacinações, já que a quantidade de vacinas num primeiro momento não é grande", disse.

De acordo com o presidente do Conselho Nacional de Secretárias estaduais de Saúde (Conass), Carlos Lula, a responsabilidade pela compra de seringas e agulhas seria do Ministério da Saúde.