Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    41.922,52
    -3.087,34 (-6,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Fabiana Silva poderia ter chegado às Olimpíadas com a vela, mas escolheu o badminton

·3 minuto de leitura
Fabiana Silva ficou na reserva na Rio-2016, mas vai estrear nas Olimpíadas em Tóquio. Foto: Visual China Group via Getty Images/Visual China Group via Getty Images
Fabiana Silva ficou na reserva na Rio-2016, mas vai estrear nas Olimpíadas em Tóquio. Foto: Visual China Group via Getty Images/Visual China Group via Getty Images

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - Fabiana Silva, 32, poderia ter sido atleta olímpica da vela. Morava em Niterói, cidade que ela chama de celeiro de velejadores, e fazia parte do Projeto Grael, idealizado por Torben e Lars Grael. Seu pai acreditava tanto no potencial da filha que se esforçava para financiar as viagens para competir em outros estados. 

Entretanto, à 0h40 (de Brasília) desta segunda-feira (26), ela vai estrear nas Olimpíadas de Tóquio em outra modalidade, bem distante da vela. Fabiana enfrentará a ucraniana Maria Ulitina no badminton. 

Leia também:

"Ainda gosto de vela. Quando vou a Niterói e tenho chance de velejar, me candidato na hora. Foi o esporte em que comecei, só fui conhecer o badminton quando tinha 13 anos. Mas foi a modalidade que me cativou, não sei nem explicar. Tive a chance de fazer o que gosto. Tenho amor pelo badminton", afirma. 

Duro foi explicar para o pai, Reginaldo, que a garota havia decidido trocar a vela pelo esporte que ele conhecia apenas como peteca. O estalo para a troca veio num dia de calmaria, quando não havia vento, e um instrutor do Projeto Grael resolveu pegar as raquetes que tinha no porta-malas do carro para os alunos jogarem. Fabiana nunca mais parou. Quando teve de escolher entre um ou outro, não teve dúvidas. 

"Sempre fui muito persistente. Quando disputei o meu primeiro campeonato nacional e vi os melhores do país jogando, disse para mim mesma que queria ser a melhor do país. Quando vi as meninas da seleção, coloquei na cabeça que tinha de estar lá. Por isso também tomei a decisão de sair de casa", diz ela. 

Assim que terminou o ensino médio, aos 17 anos, Fabiana comunicou aos pais que deixaria de viver com eles para perseguir o objetivo de se tornar uma atleta olímpica. Morou em Porto Alegre, local de treinos da seleção, em São Paulo e hoje vive em Campinas, onde atua pelo Clube Fonte São Paulo. 

Após ficar na reserva na Rio-2016, ela enfim terá a chance de jogar. Mais: será a única representante feminina do Brasil na modalidade. No masculino, Ygor Coelho está classificado. 

A conquista da vaga em Tóquio foi angustiante. A jogadora esperava consegui-la por meio da pontuação em torneios classificatórios na Guatemala e no Peru. Devido à Covid, no entanto, a entrada de brasileiros nesses países foi proibida, e os resultados com os quais ela contava para se classificar evaporaram. 

No final, o Brasil teve direito a duas vagas nas Olimpíadas no país asiático, e Fabiana foi convocada pela Confederação Brasileira de Badminton para participar da competição. "Quando saiu a confirmação do meu nome foi um sentimento que não sei descrever. Deixou tudo com um sabor melhor." 

A projeção realista da própria atleta é ganhar um dos dois jogos que disputará na fase de grupos. A maior possibilidade é na estreia, nesta segunda, contra Ulitina, da Ucrânia. A outra integrante do grupo é a americana Beiwen Zhang, cabeça de chave número 11. Para avançar às oitavas de final, terá de ficar em primeiro. "Olimpíadas são difíceis, e a fase de grupos, também. Meu objetivo é representar o Brasil da melhor maneira possível. A classificação não foi fácil, foi conturbada. Não consegui jogar vários torneios." 

Assim, estar no Japão é uma conquista para a menina que saiu de casa por causa do badminton. "Fui eu quem deu a notícia para o meu pai que eu havia me classificado para as Olimpíadas. Ele ficou radiante."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos