Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,42
    -0,55 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.745,30
    -6,10 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    46.097,16
    -1.799,48 (-3,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.151,99
    -73,54 (-6,00%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.092,34
    -828,42 (-3,32%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.253,75
    -72,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1873
    -0,0121 (-0,20%)
     

Fóssil de Pterossauro mais preservado do mundo é recuperado de tráfico no Brasil

·1 minuto de leitura

Durante uma investigação sobre o comércio ilegal de fósseis, ainda em 2013, a polícia encontrou o fóssil do Pterossauro Tupandactylus navigans, entre outros de três mil outras espécies. Após a transferência do material, Victor Beccari, paleontólogo da USP (Universidade de São Paulo), descobriu então ter em mãos o fóssil mais preservado de Pterossauro descoberto até então.

"O indivíduo está muito bem preservado, com mais de 90% de seu esqueleto e impressões em tecidos moles da crista da cabeça e do bico queratinoso", disse o especialista. O fóssil foi encontrado na Formação Crato, região abundante em fósseis localizada no nordeste brasileiro, e a criatura teria vivido por lá há cerca de 115 milhões de anos.

<em>Imagem: Reprodução/Victor Beccari/PLOS One</em>
Imagem: Reprodução/Victor Beccari/PLOS One

Beccari conta que o Tupandactylus navigans tinha mais de 2,5 metros de envergadura e um metro de altura, sendo 40% dessa medida somente de crista no topo da cabeça. Devido a essa característica, os pesquisadores acreditam que, junto ao seu pescoço longo, ele conseguia apenas fazer voos curtos. Os detalhes do esqueleto mostram ainda que o Pterossauro contava com uma região muscular de ancoragem nos ossos dos braços, permitindo um voo motorizado que o ajudava a fugir de predadores. A criatura tinha ainda uma crista no queixo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Mais estudos do material ainda serão feitos para detalhar melhor as características da criatura. O estudo foi publicado na revista científica PLOS One.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos