Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.263,96
    +103,32 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Fóssil de dinossauro predador pequeno é encontrado no interior de São Paulo

Foi encontrado, no interior de São Paulo, um osso fossilizado da vértebra de um abelissaurídeo, um exemplar adulto do período Cretáceo (145 a 66 milhões de anos atrás). O fóssil, vindo do meio da cauda do dino em questão, não traz informações o suficiente para a atribuição de um nome científico ao achado, mas permite atribuir o bicho a um grupo específico (o dos abelissaurídeos).

As análises sobre o exemplar foram publicadas na revista científica Journal of South American Earth Sciences, feitas pelos paleontólogos da USP de Ribeirão Preto Rafael Delcourt e Max Cardoso Langer. Junto ao dinossauro em questão, foram encontrados também restos fossilizados de tartarugas e ancestrais dos crocodilos, todos no município de Osvaldo Cruz, no noroeste paulista.

Nanico brasileiro

Os abelissaurídeos estavam entre os principais predadores do final do Cretáceo no Brasil — eles tinham uma silhueta semelhante à dos T. rex, com mandíbulas poderosas e braços minúsculos, travados para trás, "quase vestigiais", nas palavras dos cientistas responsáveis pela pesquisa.

O grupo de dinossauros tinha uma certa diversidade, sendo que os maiores abelissauros, os Pycnonemosaurus, chegavam a 9 metros de comprimento. Em comparação aos parentes maiores, o dono da vértebra fossilizada em questão era baixinho: os cálculos dos pesquisadores o colocam em 3,4 metros de comprimento, tamanho semelhante ao de alguns jacarés e crocodilos da atualidade.

A maior parte dos abelissaurídeos da América do Sul foi encontrada na Patagônia, sendo que os exemplares brasileiros consistem principalmente de coroas dentárias e ossos isolados. Poucas das espécies encontradas até o momento receberam nomes formais — o achado recente, inclusive, indica uma variação maior do que se pensava no tamanho desse grupo de dinos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos