Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.570,91
    +1.402,43 (+2,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Fóssil de 1 bilhão de anos traz revelações sobre a evolução animal

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Pesquisadores das Universidade de Sheffield, da Inglaterra, e do Boston College, dos Estados Unidos, encontraram um microfóssil de um bilhão de anos que pode trazer respostas sobre a evolução dos animais. O material foi encontrado em Loch Torridon, que fica localizada no noroeste da Escócia, foi batizado de Bicellum Brasieri e conta com dois tipos de células bem distintas. O fóssil, segundo os cientistas, pode ter sido do animal multicelular mais antigo já descoberto até então.

Charles Wellman, investigador de Sheffield e líder do estudo, conta que a descoberta traz uma nova luz sobre os dois eventos mais importantes da história da vida no planeta: a origem da multicelularidade complexa e a dos animais. "Encontramos um organismo esférico primitivo feito de um arranjo de dois tipos de célula, sendo o primeiro passo em direção a uma estrutura multicelular complexa, o que nunca antes foi descrito em registros fósseis", comemora.

<em>Imagem: Reprodução/Paul Strother/Universidade de Sheffield</em>
Imagem: Reprodução/Paul Strother/Universidade de Sheffield

Wellman diz ainda que a descoberta do novo fóssil sugere que a evolução dos animais multicelulares aconteceu há um bilhão de anos, pelo menos, e que os eventos que antecederam a evolução dos animais pode ter ocorrido em água doce e lagos em vez de oceanos. A descoberta, que está incrivelmente bem preservada, também traz um novo olhar para a transição de organismos unicelulares para multicelulares, que são ainda mais complexos.

Paul Strother, investigador do Boston College, conta que o que é visto no Bicellum Brasieri é um exemplo de que a origem dos animais inclui "a incorporação e o reaproveitamento de genes antigos que haviam evoluído anteriormente em organismos unicelulares". Agora, o próximo passo da equipe é examinar a região de Loch Torridon para, quem sabe, encontrar novos fósseis que possam trazer ainda mais informações sobre como funciona a evolução de organismos com múltiplas células.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: