Mercado fechará em 6 h 32 min
  • BOVESPA

    126.230,35
    -55,24 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,95
    +0,56 (+0,77%)
     
  • OURO

    1.829,30
    +24,70 (+1,37%)
     
  • BTC-USD

    39.942,14
    +125,15 (+0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    937,42
    +7,50 (+0,81%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.085,39
    +68,76 (+0,98%)
     
  • HANG SENG

    26.315,32
    +841,44 (+3,30%)
     
  • NIKKEI

    27.782,42
    +200,76 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    14.992,75
    -18,75 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0394
    -0,0191 (-0,32%)
     

Fórmula 1: série da Netflix quase dobrou audiência das corridas nos EUA

·3 minuto de leitura

A série documental F1: Dirigir para Viver, da Netflix, foi anunciada pela Liberty Media, dona dos direitos da categoria, como uma das estratégias para aproximar as corridas do público e aumentar o interesse. Agora, esse investimento está mais do que se pagando, com a notícia de que a audiência da Fórmula 1 quase dobrou, nos Estados Unidos, desde a estreia da primeira temporada, em 2019 — o próprio serviço de streaming também tem recordes para chamar de seus.

De acordo com dados da rede ESPN, que transmite a modalidade nos EUA, a média de espectadores por corrida aumentou de cerca de 547 mil, antes da estreia de Dirigir para Viver, para cerca de 928 mil em 2021. Ainda em 2019, o Grande Prêmio dos Estados Unidos registrou um aumento de 15% nas vendas de ingressos, associado à estreia da série em março daquele ano — a corrida não aconteceu em 2020 por conta da pandemia e, neste ano, está marcada para outubro, com alta expectativa de público.

Fora dos EUA, a Netflix também comemora um fato raro para suas produções originais, com a terceira temporada de F1: Dirigir para Viver tendo a maior audiência de toda a série, sendo a mais assistida na média global em seu final de semana de estreia. A empresa também vê um grande indicativo de que as maratonas se tornaram populares, com aumento no engajamento por meio da taxa de finalização dos espisódios, em pouco tempo após a chegada dos capítulos. Prova do sucesso é que, antes mesmo da premiere, o serviço de streaming já havia confirmado um quarto ano, que já está sendo filmado e tem lançamento marcado para o começo de 2022.

O sucesso também pode ser sentido no comportamento da própria categoria. Na primeira temporada, por exemplo, duas das principais escuderias, Ferrari e Mercedes, não quiseram participar por temerem problemas relacionados às suas propriedades intelectuais e estratégias. Um ano depois, elas estreavam em Dirigir para Viver e estão lá desde então, com a presença de cinegrafistas da Netflix se tornando, inclusive, um tema de comentários dos narradores oficiais da categoria, que já adiantam aos espectadores sobre os temas a serem abordados pela série.

<em>Foco nas histórias pessoais dos pilotos é considerado um dos motivos para o sucesso de F1: Dirigir Para Viver, trazendo novos fãs para a categoria (Imagem: Divulgação/Netflix)</em>
Foco nas histórias pessoais dos pilotos é considerado um dos motivos para o sucesso de F1: Dirigir Para Viver, trazendo novos fãs para a categoria (Imagem: Divulgação/Netflix)

De acordo com Paul Martin, a ideia do show é trazer um retrato autêntico do que acontece fora das pistas; para isso, foi importante trabalhar ao lado das equipes e respeitar aquilo que eles gostariam ou não de mostrar. O comentário também é ecoado por outras figuras conhecidas da Fórmula 1, como o piloto da McLaren, Daniel Ricciardo, que elogia o olhar da Netflix sobre o que acontece por trás do capacete; e Toto Wolff, diretor da equipe Mercedes, que viu um novo fluxo de fãs surgindo após a série.

Para Martin, a série só funciona devido à sua intensidade e drama, demonstrados por meio da dança das cadeiras das equipes, os confrontos das pistas que se refletem fora delas e por um olhar mais humano sobre os pilotos, engenheiros e dirigentes que fazem as corridas acontecerem. Há, claro, um trabalho de dramaticidade e roteirização envolvidos, mas, para o produtor, trata-se apenas de lançar luz sobre aquilo que sempre existiu nos bastidores da Fórmula 1.

Como dito, a quarta temporada de F1: Dirigir para Viver já está sendo produzida ao longo da temporada 2021 da Fórmula 1. Os novos capítulos do show ainda não têm data de estreia marcada, mas, se seguir a tendência das anteriores, devem chegar no primeiro trimestre do ano que vem, logo antes do início das provas de 2022.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos