Mercado abrirá em 2 h 27 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,41
    +0,05 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.842,50
    +12,60 (+0,69%)
     
  • BTC-USD

    37.285,33
    +843,59 (+2,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    735,29
    +0,15 (+0,02%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.730,24
    +9,59 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.917,50
    +115,25 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4102
    +0,0149 (+0,23%)
     

Fábrica da Foxconn promovida por Trump fecha contrato com Google

Debby Wu e Mark Bergen
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Foxconn Technology planeja montar componentes-chave para servidores do Google em sua fábrica em Wisconsin, disseram pessoas com conhecimento do assunto, finalmente dando vida a uma instalação que o presidente Donald Trump promoveu como fundamental para trazer de volta a manufatura aos Estados Unidos.

A empresa taiwanesa decidiu localizar a produção para este novo contrato no complexo existente, em vez de fabricar os componentes no mercado doméstico ou na China, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. A fábrica subutilizada deve iniciar a produção em larga escala no primeiro trimestre, em linha com o lançamento dos chips de servidores Ice Lake da Intel, disseram.

A Foxconn, também conhecida como Hon Hai Precision Industry Co., é uma das várias empresas taiwanesas que exploram maneiras de se expandir nos EUA e diminuir a dependência das bases de produção chinesas.

A empresa também tem buscado diversificar um negócio que conta com a Apple para a metade de sua receita, inclusive cortejando mais clientes americanos. Na quinta feira, a Taiwan Semiconductor Manufacturing Co. recebeu incentivos municipais para uma fábrica de chips de US$ 12 bilhões em Phoenix, outro passo para trazer manufatura de alta tecnologia de volta aos EUA e abordar questões de segurança na cadeia de suprimentos da indústria.

Um representante da Foxconn confirmou que está desenvolvendo infraestrutura de data center e “recursos” de computação de alto desempenho em Wisconsin, mas não quis divulgar o nome de clientes.

Taiwan considera Washington um aliado diplomático, econômico e militar essencial em meio às crescentes tensões com o governo de Pequim. A Foxconn, que opera a maioria de suas fábricas no centro e no sul da China, conseguiu o contrato com o Google porque era a única fabricante terceirizada capaz de estabelecer uma linha de tecnologia de montagem em superfície em solo americano, disse uma das pessoas.

Listada em Xangai, a Foxconn Industrial Internet Co., sua unidade de negócios em nuvem, supervisionará o negócio de servidores em Wisconsin, disse outra pessoa a par das operações da Foxconn.

A fábrica em Wisconsin foi revelada com muito alarde em 2018 pelo presidente do conselho da Foxconn, Terry Gou, e Trump, que chamou a unidade de “Oitava Maravilha do Mundo”. Planejada como peça central da iniciativa Made in America que criaria 13 mil empregos no estado, a unidade sucumbiu a atrasos e mudou de direção várias vezes após autoridades reduzirem subsídios.

A empresa ficou muito aquém da meta de contratação no primeiro ano, tendo encerrado 2018 com apenas 178 funcionários em tempo integral. E em vez das prometidas telas de grande porte, a empresa começou a produzir máscaras e respiradores neste ano.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.