Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.699,00
    -556,30 (-1,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

ExxonMobil e Chevron registram perdas milionárias por pandemia

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Vista aérea de uma instalação de armazenamento de petróleo bruto em Cushing, Oklahoma, em 5 de maio de 2020

As petrolíferas americanas Chevron e ExxonMobil, afetadas pela queda nos preços do petróleo devido ao coronavírus, perderam bilhões de dólares no segundo trimestre do ano e planejam continuar reduzindo os custos nos próximos meses.

A ExxonMobil registrou um prejuízo líquido de US$ 1,1 bilhão. É a segunda vez desde a fusão da Exxon-Mobil em 1999 que a empresa, que já estava no vermelho no primeiro trimestre, perdeu dinheiro.

A companhia petrolífera viu sua produção diminuir 7% durante o período, equivalente a 3,6 milhões de barris de petróleo por dia, e suas vendas caíram mais da metade, para US $ 32,61 bilhões.

O grupo iniciou medidas drásticas para reduzir custos.

A Chevron, afetada por encargos relacionados à queda dos preços do petróleo e suas operações na Venezuela, registrou uma perda líquida de US$ 8,3 bilhões no segundo trimestre na sexta-feira.

"Os últimos meses apresentaram desafios únicos", disse o presidente da Chevron, Michael Wirth, em comunicado. "O impacto econômico da resposta ao COVID-19 reduziu bastante a demanda por nossos produtos e reduziu os preços das matérias-primas.

Com as incertezas associadas à recuperação econômica e ao abundante suprimento de petróleo e gás, analisamos nossa perspectiva sobre os preços das commodities, que se traduz em depreciação de ativos e outros encargos ", explicou.

O grupo registrou em suas contas uma cobrança de US$ 1,8 bilhão relacionada à queda nos preços do petróleo. A Chevron também registrou uma taxa de depreciação de US$ 2,6 bilhões por seus ativos na Venezuela devido a "incertezas sobre o ambiente atual" de suas operações naquele país, bem como uma taxa de US$ 437 milhões por efeitos cambiais e outra de 780 milhões relacionados à saída de funcionários.

Excluindo elementos excepcionais, o grupo registrou uma perda de 3.000 milhões. Ajustado por ação, a perda é de US$ 1,59, enquanto os analistas prevêem 93 centavos.

Sua receita no período caiu 56%, para US$ 15,9 bilhões, significativamente abaixo do esperado pelos analistas, que previam US$ 21,9 bilhões.