Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,47 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,20 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,52
    -0,19 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -22,40 (-1,24%)
     
  • BTC-USD

    18.047,29
    +279,24 (+1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,87 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,28 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,41 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.273,25
    +121,00 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3922
    +0,0523 (+0,82%)
     

Exxon tem prejuízo pelo 2º tri consecutivo com impactos de demanda e preço

Por Jennifer Hiller
·1 minuto de leitura
.
.

Por Jennifer Hiller

HOUSTON (Reuters) - A petroleira Exxon Mobil reportou nesta sexta-feira um prejuízo de 1,1 bilhão de dólares no segundo trimestre, em resultado pressionado pelas fortes quedas na demanda por energia e nos preços do petróleo em função da pandemia de Covid-19, e confirmou possuir planos para mais cortes de gastos.

Essa foi a primeira vez em pelo menos 36 anos que a Exxon registrou prejuízos por dois trimestres consecutivos, embora as perdas tenham sido menores que as de empresas rivais, que levaram enormes pancadas no último trimestre.

A maior produtora de petróleo dos Estados Unidos não registrou baixas de ativos no período e obteve um impulso de 0,44 dólar por ação a partir de ganhos de valor com estoques.

Chevron, Total, Shell e Eni, por exemplo, reavaliaram valores de ativos de óleo e gás no trimestre, em baixas de bilhões de dólares, enquanto a BP registrou um corte de 17,5 bilhões de dólares no período.

A Exxon reduziu os gastos de capital em 30% neste ano, para cerca de 23 bilhões de dólares, e o vice-presidente sênior, Neil Chapman, disse que a companhia espera gastar menos de 19 bilhões de dólares no ano que vem, o que representaria o menor nível de gastos da petroleira desde 2005, pelo menos.

A empresa planeja cortar gastos de capital e operacionais para defender seus dividendos, disse Chapman em uma conferência com analistas, acrescentando que os investidores "passam a ver esse dividendo como uma fonte de estabilidade em seus rendimentos."

(Reportagem de Jennifer Hiller, em Houston, e Arathy S Nair, em Bangalore)