Mercado abrirá em 3 h 44 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,46
    +0,55 (+1,22%)
     
  • OURO

    1.808,90
    +4,30 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    19.040,62
    +186,64 (+0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    377,58
    +7,83 (+2,12%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.452,65
    +20,48 (+0,32%)
     
  • HANG SENG

    26.637,75
    +49,55 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.118,50
    +42,50 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4179
    +0,0210 (+0,33%)
     

Exxon planeja demissões com aposta em combustíveis fósseis

Kevin Crowley
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Exxon Mobil planeja demitir um número não especificado de funcionários devido aos baixos preços do petróleo, que obrigam a empresa a adiar grandes projetos, disse o CEO Darren Woods em e-mail à equipe.

Woods também fez uma ampla defesa dos combustíveis fósseis, chamando-os de “propósito superior” que ajuda a prosperidade global em um momento em que rivais europeias veem as energias renováveis como o futuro.

“São tempos difíceis”, disse Woods na mensagem, cujo texto foi divulgado pela empresa na quarta-feira. “Estamos tomando decisões difíceis, algumas das quais resultarão na saída de amigos e colegas da empresa.”

Os cortes de empregos da gigante do petróleo são apenas mais um sinal das dificuldades de produtores de energia dos EUA, que enfrentam a pior crise do setor na memória recente. Nesta semana, duas fusões de peso foram anunciadas enquanto produtores buscam ganhar escala e cortar custos para sobreviver ao impacto da Covid-19 na demanda global por combustível. Muitos pediram recuperação judicial.

As ações da Exxon acumulam baixa de 52% desde janeiro, e a empresa praticamente encerrou sua estratégia agressiva de crescimento anticíclico de US$ 30 bilhões ao ano. A empresa teve que cortar os investimentos em um terço, ou US$ 10 bilhões, depois que o petróleo caiu para o nível mais baixo em uma geração. Rivais como BP e Chevron também anunciaram demissões em larga escala nas últimas semanas.

“Nosso plano é continuar a preparar a execução de projetos e gastos”, disse Woods. “Tornar a organização mais eficiente e ágil irá reduzir o número de cargos necessários e, infelizmente, reduzir o número de pessoas de que precisamos.”

Mas Woods deixou claro que os cortes não são um sinal de que sua confiança no setor de petróleo e gás diminuiu. Os combustíveis fósseis ainda responderão por cerca da metade da matriz energética global até 2040 e, geralmente, oferecem o caminho mais econômico para o desenvolvimento em países pobres, especialmente os da África e da Ásia, disse Woods.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.