Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.181,96
    -378,51 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Extinção em massa ocorrida há 250 milhões de anos não teve apenas uma causa

·2 min de leitura

Por volta de 250 milhões de anos atrás, a extinção em massa do final do período Permiano (EPME, na sigla em inglês) dizimou entre 80 a 90% dos organismos marinhos e terrestres. Embora pesquisas anteriores apontem as erupções vulcânicas como o principal gatilho deste fenômeno mortal, um novo estudo, conduzido pela Chinese Academy of Sciences, apresenta uma nova peça deste quebra-cabeça, indicando que um inverno vulcânico também teria contribuído para a catástrofe.

Conhecido também como Great Drying (“A Grande Morte”, na tradução literal), este foi o evento de extinção mais severo a assolar a Terra e, apesar de algumas pistas, sua verdadeira origem ainda é desconhecida. Estudos anteriores apontam grande erupções vulcânicas daquela época como o principal gatilho do fenômeno, lançando grandes quantidades de cinzas vulcânicas e dióxido de carbono para a atmosfera, além de aumentar a acidez dos oceanos.

(Imagem: Reprodução/Universidade de Washington)
(Imagem: Reprodução/Universidade de Washington)

As evidências de erupções vulcânicas na Sibéria apontam para este cenário, mas não explicam exatamente como o evento de extinção global foi desencadeado. O novo estudo analisou um conjunto bem diferente de vulcões localizados ao sul da China. “Descobrimos que o desastre ambiental global do final do Permiano pode ter tido várias causas entre as espécies marinhas e não marinhas”, explicou o geólogo Michael Rampino, da Universidade de Nova York e autor da pesquisa.

Em suas análises, os pesquisadores descobriram depósitos de cobre, mercúrio e outros minerais ao sul da China que combinavam com a EPME. A partir da composição química destes materiais, a equipe também observou que eles foram expostos a emissões ricas em enxofre, liberado há 250 milhões de anos, durante a Grande Morte. A fumaça vulcânica, rica em ácido sulfúrico, teria bloqueado a luz do Sol, resfriado a superfície terrestre.

Minerais ricos em cobre indicam uma atividade vulcânica generalizada no final do Permiano em diferentes áreas ao sul da China (Imagem: Reprodução/Hua Zhang/Nanjing Institute of Geology and Palaeontology)
Minerais ricos em cobre indicam uma atividade vulcânica generalizada no final do Permiano em diferentes áreas ao sul da China (Imagem: Reprodução/Hua Zhang/Nanjing Institute of Geology and Palaeontology)

Segundo os pesquisadores, um inverno vulcânico teria derrubado drasticamente a temperatura global antes de a Terra atravessar seu período mais longo de aquecimento — ou seja, a vida já precisaria lidar com dois desafios extremos. Em contrapartida, os fluxos de lava na Sibéria — conhecidas como grande província ígnea das Armadilhas Siberianas ou STLIP (na sigla em inglês) — teriam liberado dióxido de carbono suficientemente para aquecer o planeta e reduzir a oxigenação dos oceanos.

Estes dois eventos revelam os dois cenários potenciais provocados por uma erupção vulcânica: resfriamento e aquecimento global. Mas os pesquisadores disseram que seus impactos dependem fatores como a intensidade dos eventos, a altura que as nuvens vulcânicas atingem e a quantidade de dióxido de enxofre — este é posteriormente convertido em sulfato, que bloqueia a luz solar com maior eficiência.

A pesquisa foi publicada no periódico Science Advances.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos