Mercado abrirá em 56 mins
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,88
    +1,13 (+1,89%)
     
  • OURO

    1.722,00
    -11,60 (-0,67%)
     
  • BTC-USD

    51.628,40
    +2.886,47 (+5,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.030,89
    +42,80 (+4,33%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.678,34
    +64,59 (+0,98%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.153,00
    +97,75 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8419
    -0,0202 (-0,29%)
     

Exportações robustas ajudam Alemanha a evitar contração no 4º tri

·1 minuto de leitura
Distrito financeiro de Frankfurt, Alemanha.

BERLIM (Reuters) - Exportações robustas ajudaram a Alemanha a registrar crescimento de 0,1% no último trimestre do ano passado, evitando contração apesar de a segunda onda de coronavírus ter afetado o consumo na maior economia da Europa, disse a Agência Federal de Estatísticas.

As exportações de bens e a construção sustentaram a economia enquanto o novo lockdown no final do ano passado prejudicou o consumo privado, disse a agência. Pesquisa da Reuters apontava expectativa de estagnação no quarto trimestre.

No terceiro trimestre, a economia cresceu 8,5%.

"No quarto trimestre, essa recuperação foi refreada pela segunda onda de coronavírus e pelo novo lockdown no fim do ano", disse a Agência de Estatísticas.

"Isso afetou particularmente o consumo privado, enquanto as exportações de bens e os investimentos em construção sustentaram a economia."

O governo alemão reduziu na quarta-feira sua previsão de crescimento para este ano a 3%, contra 4,4% antes, devido ao segundo lockdown.

A economia encolheu 5% no ano passado, menos do que o esperado. Essa perda é superada apenas pela queda recorde de 5,7% registrada em 2009, durante a crise financeira.

(Reportagem de Paul Carrel)