Mercado abrirá em 4 h 26 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,71
    -1,37 (-2,07%)
     
  • OURO

    1.816,00
    -6,80 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    50.409,50
    -6.404,88 (-11,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.374,38
    -189,45 (-12,11%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    6.842,54
    -162,09 (-2,31%)
     
  • HANG SENG

    27.718,67
    -512,37 (-1,81%)
     
  • NIKKEI

    27.448,01
    -699,50 (-2,49%)
     
  • NASDAQ

    12.960,25
    -38,25 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4178
    +0,0123 (+0,19%)
     

Exportações do Japão registram maior ganho mensal desde o final de 2017

Daniel Leussink
·1 minuto de leitura
Porto de Yokohama, Japão

Por Daniel Leussink

TÓQUIO (Reuters) - As exportações do Japão registraram seu maior salto em mais de três anos em março, lideradas por um aumento nas remessas para a China, em um sinal de que a recuperação econômica diante do tombo provocado pelo coronavírus no ano passado permanece intacta.

No entanto, é improvável que os dados comerciais aliviem completamente as preocupações em relação à frágil recuperação da terceira maior economia do mundo, que sofreu um enorme golpe com o colapso do comércio global devido à pandemia no primeiro trimestre de 2020.

Dados do Ministério das Finanças japonês mostraram nesta segunda-feira que as exportações dispararam 16,1% em março em relação ao mesmo período do ano anterior, marcando o crescimento mais acentuado desde novembro de 2017. Esse resultado foi melhor do que um salto de 11,6% previsto por economistas em pesquisa da Reuters, após uma contração de 4,5% em fevereiro.

Os embarques para a China, maior parceira comercial do Japão, avançaram 37,2% no ano encerrado em março, liderados por metais não ferrosos e materiais plásticos, e também impulsionados por exportações mais fortes de máquinas semicondutoras.