Mercado abrirá em 5 h 39 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,08
    +0,21 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.942,70
    -2,60 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    23.119,00
    +319,94 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.996,27
    +153,94 (+0,70%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.105,00
    -47,00 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5208
    +0,0052 (+0,09%)
     

Exportações de gás russo fora do ex-bloco soviético caíram 45,5% em 2022

As exportações de gás da Rússia para países fora do antigo bloco soviético caíram 45,5% em 2022 — de acordo com informação da gigante Gazprom divulgada nesta segunda-feira (2), após um ano marcado pela forte queda no fornecimento de hidrocarbonetos russos à Europa, pela guerra na Ucrânia.

Em um comunicado, o presidente da Gazprom, Alexei Miller, afirmou que as exportações para fora desses países foram de 100,9 bilhões de metros cúbicos, ante 185,1 bilhões em 2021.

A Rússia reduziu suas exportações de hidrocarbonetos para a União Europeia (UE), depois que os países ocidentais impuseram-lhe sanções econômicas em represália pela ofensiva na Ucrânia.

No início de dezembro, a UE, os países do G7 e a Austrália concordaram em estabelecer um teto para o preço do petróleo russo a US$ 60 por barril, com o objetivo de reduzir a receita de Moscou e, portanto, sua capacidade de financiar a ofensiva.

Em resposta, Moscou anunciou que proibiria a venda de seu petróleo a países que aplicarem o teto aos preços do petróleo russo a partir de 1º de fevereiro. Para compensar as perdas, Moscou tenta aumentar o fornecimento de gás à China, país que consome muita energia.

No final de dezembro, o presidente russo, Vladimir Putin, lançou a exploração de uma vasta jazida localizada na Sibéria, o que deve permitir o aumento das exportações para a China.

A Rússia também planeja construir o oleoduto Força da Sibéria 2, a partir de 2024, para abastecer Pequim via Mongólia.

"As perspectivas de um aumento do consumo de gás no mundo estão ligadas, principalmente, à Ásia e, sobretudo, à China", declarou o presidente da Gazprom.

bur-dt/yad/mis/zm/tt/mr