Mercado fechará em 4 h 31 min
  • BOVESPA

    111.811,83
    +1.608,05 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.104,39
    +213,80 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,53
    +0,93 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.838,90
    -13,60 (-0,73%)
     
  • BTC-USD

    38.414,75
    +1.641,97 (+4,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    884,13
    +63,54 (+7,74%)
     
  • S&P500

    4.356,45
    -53,68 (-1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.297,73
    -66,77 (-0,19%)
     
  • FTSE

    7.505,33
    +133,87 (+1,82%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,29 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.011,33
    -120,01 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.436,00
    +295,25 (+2,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1403
    -0,0118 (-0,19%)
     

Exportações da China crescem 29,9% em 2021, com superávit recorde

·1 min de leitura
(Arquivo) Centenas de contêineres se empilham na zona de carga e descarga do porto de Lianyungang, em 12 de outubro de 2022, no leste da China (AFP/.) (.)

As exportações da China aumentaram 29,9% em 2021, na comparação com o ano anterior, e deixaram um superávit comercial recorde para a segunda maior economia do mundo - informam dados divulgados pela Alfândega chinesa nesta sexta-feira (14).

Depois dos frágeis +3,6% registrados em 2020, as exportações do gigante asiático se viram impulsionadas pela reabertura do comércio internacional e pela venda de produtos ligados ao combate à pandemia da covid-19, como as máscaras cirúrgicas.

Embora as importações também tenham crescido fortemente (+30,1% interanual), a balança comercial da China atingiu um saldo positivo recorde de US$ 676 bilhões.

As exportações também foram favorecidas por uma recuperação nas vendas de produtos mecânicos e eletrônicos, disse o porta-voz da agência aduaneira, Li Kuiwen.

Apesar de apresentar uma boa nota em um ano cheio de desafios, Li disse à imprensa que a economia "enfrenta uma tripla pressão pela contração da demanda, pelo choque de oferta e pelas expectativas de queda".

"Hoje, as exportações fortes podem ser o único motor de impulso da economia chinesa", estimou Zhiwei Zhang, economista-chefe da Pinpoint Asset Management.

Em dezembro, as exportações cresceram 20,9%, dentro dos prognósticos, mas as importações ficaram abaixo das expectativas (+19,5%), na comparação com o mesmo mês de 2020.

A esperança de um retorno à normalidade na frente epidêmica leva alguns economistas a prever uma queda nas exportações de produtos de saúde.

"As exportações robustas ainda devem durar alguns meses, mas vão, provavelmente, se desacelerar a partir do meio do ano", afirmou o analista Brian Coulton, da agência de classificação de risco Fitch.

bys/rox/dan/dbh/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos