Mercado fechará em 4 h 22 min
  • BOVESPA

    110.750,11
    -1.173,82 (-1,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,24
    +2,26 (+2,83%)
     
  • OURO

    1.802,90
    -6,70 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    17.222,02
    +270,64 (+1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,86
    -3,36 (-0,82%)
     
  • S&P500

    4.050,39
    -21,31 (-0,52%)
     
  • DOW JONES

    34.244,01
    -185,87 (-0,54%)
     
  • FTSE

    7.584,06
    +27,83 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.926,75
    -83,50 (-0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5311
    +0,0371 (+0,68%)
     

Exportações chinesas registram queda em outubro, a primeira desde 2020

As exportações da China registraram contração em outubro, a primeira desde meados de 2020, informaram nesta segunda-feira as autoridades do país, em um cenário de desaceleração interna e de ameaça de recessão mundial.

As exportações caíram 0,3% em ritmo anual em outubro, de acordo com a Administração Geral das Alfândegas, uma queda expressiva em comparação com o aumento de 5,7% de setembro e muito abaixo das expectativas dos analistas.

As importações em ritmo anual registraram queda de 0,7% em outubro, o primeiro resultado negativo desde março e uma queda na comparação com o avanço de 0,3% de setembro.

A desaceleração do comércio acontece no momento em que a demanda mundial de produtos chineses perde força, com os preços da energia em alta e a economia dos Estados Unidos sob ameaça de recessão.

Os confinamentos esporádicos por causa da covid-19 também prejudicaram o entusiasmo dos consumidores e a confiança empresarial na segunda maior economia do mundo.

Os analistas entrevistados pela Bloomberg previam um crescimento das exportações de 4,3% em outubro, mas projetavam um crescimento das importações de apenas 0,1% diante do enfraquecimento da demanda no país.

"O recente declínio nos volumes de exportação parece refletir uma reversão no aumento da demanda mundial por produtos chineses que aconteceu durante a pandemia", afirmou Zichun Huang, analista da Capital Economics.

Os analistas do grupo financeiro Nomura acreditam que a queda das exportações da China deve  continuar nos próximos dois meses.

Como o forte crescimento das exportações tem sido o grande motor do crescimento do PIB na China desde a primavera de 2020, a contração nas exportações inevitavelmente pesará sobre o crescimento, o emprego e o investimento", destacaram.

A atividade das fábricas chinesas registrou contração em outubro, de acordo com dados oficiais divulgados na semana passada, números que o Escritório Nacional de Estatísticas atribui aos surtos de covid-19 do mês passado.

tjx/mas/pc/es/fp