Mercado fechará em 1 h 21 min
  • BOVESPA

    122.094,15
    +1.745,35 (+1,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.245,07
    +352,79 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,13
    -0,23 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.836,30
    +6,40 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.676,43
    -382,46 (-1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    694,30
    -40,85 (-5,56%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.806,00
    +3,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3652
    -0,0274 (-0,43%)
     

Exportação de soja do Brasil deve cair 37% em janeiro, diz Anec; venda de milho sobe

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Os embarques de soja do Brasil devem alcançar 1,052 milhão de toneladas em janeiro, queda em torno de 37% ante o mesmo período do ano passado, estimou nesta terça-feira a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) em sua primeira projeção sobre a oleaginosa para o mês.

Em janeiro de 2020, o país comercializou 1,669 milhão de toneladas de soja, segundo dados da associação. O atraso no plantio da safra 2020/21 por falta de chuvas reduziu o volume de grãos disponíveis para embarque neste mês, quando a colheita se inicia.

Até a semana passada, levantamento com base na programação de navios (line-up) da agência marítima Cargonave publicado pela Reuters indicava um recuo ainda mais intenso nas exportações da oleaginosa, de 75%.

Já para o milho, a Anec prevê embarques de 2,121 milhões de toneladas em janeiro, ante 1,174 milhão de toneladas enviadas ao exterior um ano antes.

Na mesma linha, a expectativa da associação é positiva para as vendas externas de farelo de soja, que podem passar de 847,4 mil toneladas em janeiro de 2020 para 1,175 milhão de toneladas neste mês.

(Por Ana Mano e Nayara Figueiredo)