Mercado fechado

Exportação de soja do Brasil tem pior janeiro desde 2014, com atraso na colheita

·1 minuto de leitura
Navio carregado com soja no porto de Santos (SP)

SÃO PAULO (Reuters) - As exportações de soja do Brasil recuaram 96,5% em janeiro no comparativo anual, para 49,5 mil toneladas, conforme dados divulgados nesta segunda-feira pelo governo federal, o menor resultado para o primeiro mês do ano desde 2014, em meio a um forte atraso na colheita do principal produtor e exportador da oleaginosa.

Em janeiro de 2014, o país embarcou 30,58 mil toneladas de soja, segundo dados do governo. O volume comercializado no mês passado também é inferior ao visto em dezembro, de 270 mil toneladas.

Os trabalhos de colheita da safra 2020/21 foram afetados pela semeadura tardia na maior parte das regiões produtoras, em função de uma seca ocorrida no início da temporada. Além disso, chuvas acima da média contribuíram para dificultar o acesso às lavouras no mês passado.

A combinação destes fatores fez com que a colheita brasileira da oleaginosa atingisse o ritmo mais lento dos últimos dez anos, segundo a consultoria AgRural, reduzindo a disponibilidade de grãos para exportação.

O atraso na colheita tem estressado o mercado, uma vez que a programação de navios nos portos brasileiros para fevereiro indica demanda para exportação de mais de 8 milhões de toneladas de soja.

Já os embarques de milho subiram 20,9% em janeiro, para 2,55 milhões de toneladas.

As vendas externas de açúcar avançaram 31,2% em relação ao mesmo período do ano passado, para 2,1 milhão de toneladas, mostraram os dados.

(Por Nayara Figueiredo, Gabriel Araujo e Roberto Samora)