Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.593,56
    +294,71 (+2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Exportação de açúcar do México aos EUA deve cair 40% na próxima safra, diz setor

Por Adriana Barrera
·1 minuto de leitura

Por Adriana Barrera

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - As exportações de açúcar do México para os Estados Unidos devem cair significativamente na próxima safra devido à menor cota definida por um acordo comercial, enquanto a produção do adoçante deve crescer em ambos os países, disse um representante do setor nesta terça-feira.

O chefe de uma câmara da indústria açúcar do México, Juan Cortina, disse que as exportações de açúcar do país para os norte-americanos devem somar apenas 800 mil toneladas na próxima temporada, ou quase 40% a menos que em 2019/20, quando atingiram 1,3 milhão de toneladas.

A safra 2020/21 começa em outubro/novembro e é encerrada em agosto/setembro.

Cortina estimou que a produção de açúcar do México em 2020/21 deve alcançar 6 milhões de toneladas, com aumento de 13% na comparação com a safra anterior. Mas o contínuo crescimento da produção de açúcar nos EUA deve fazer o país comprar menos do país vizinho.

"No próximo ano, eles (EUA) vão de novo ter uma produção nacional maior... e o México conseguirá embarcar menos", afirmou.

O acordo comercial entre EUA e México, que foi revisado neste ano e prorrogado por cinco anos, estabelece volumes fixos de cotas para as exportações mexicanas que variam de acordo com a produção nos EUA, em um esforço para proteger o mercado doméstico.

Cortina também disse que a indústria no México tem sido ameaçada pela possibilidade de impostos maiores sobre bebidas açucaradas, conforme proposta de parlamentares do Morena, partido do presidente Manuel Lopez Obrador.

"Nós temos um difícil ano à frente porque teremos grandes superávits e além disso temos essa questão dos impostos", afirmou.