Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.783,70
    +5,30 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    55.537,50
    +488,63 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.275,77
    +41,35 (+3,35%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.602,46
    -533,27 (-1,83%)
     
  • NIKKEI

    28.515,54
    -584,84 (-2,01%)
     
  • NASDAQ

    13.732,75
    -61,50 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6883
    -0,0142 (-0,21%)
     

Experimento do Google em RA "cava" túnel e mede espaços do mundo real

Igor Almenara
·3 minuto de leitura

De tempos em tempos, desenvolvedores do Google levam suas ideias de laboratório para o público. Numa experimentação de aplicações WebXR — relacionadas a realidade aumentada e realidade virtual — para o Chrome no Android, a gigante apresentou quatro novos aplicativos para brincar com geografia, galerias virtuais, tirar medidas aproximadas ou ajudar no distanciamento social.

São rápidas experiências em realidade mista, aumentada ou totalmente virtual que separadamente não fazem sentido, mas compõem um conjunto robusto de ferramentas quando somadas a outros aplicativos. É possível que nenhuma dessas aplicações seja lançada como um app individual, mas o mais provável é que elas sejam integradas a outros softwares do ecossistema do Google.

Floom

Uma das ideias mais curiosas é o Floom, um experimento que trabalha com realidade aumentada para “abrir túneis” até o outro lado da Terra. Seu uso é extremamente curioso: basta mirar a mira para a posição desejada e apertar para abrir um portal com a vista superior de uma localização que, supostamente, está no lado oposto do globo.

(Imagem: Reprodução/Google)
(Imagem: Reprodução/Google)

Nesse caso, o app utiliza conhecimento do Google Earth para gerar as imagens — o que é um indicativo de qual seria o seu destino no futuro. Embora não tenha nenhuma utilidade prática para o dia a dia, é um recurso interessante para matar a curiosidade e apresentar noções de geografia, principalmente para crianças recém introduzidas nesse conceito.

Sodar

Em tempos de distanciamento social, qualquer ajuda para ter ideia para ter uma melhor noção do espaço que ocupa é bem-vinda. O Sodar é literalmente isso: em realidade aumentada, ele cria um círculo que demarca dois metros de distância ao redor do celular — assumindo que essa seja a posição do portador — e ajuda a manter uma distância segura de outras pessoas.

(Imagem: Reprodução/Google)
(Imagem: Reprodução/Google)

Não há dicas de qual aplicativo do Google abrigaria a novidade — que pode ser esquecida na gaveta a qualquer momento. Contudo, diferente do Floom, sua aplicação no cotidiano é bastante interessante, principalmente na ausência de demarcações em estabelecimentos comerciais.

Measure Up

Quem nunca precisou tirar medidas rápidas de um objeto tridimensional, não é mesmo? O Measure Up é a ferramenta feita para esse cenário. Com ajuda de detecção de profundidade uma forcinha do usuário, o experimento entrega uma medida aproximada de objetos, desde largura, altura, profundidade e valores indiretos, como área e volume.

(Imagem: Reprodução/Google)
(Imagem: Reprodução/Google)

O resultado entregue pelo Measure Up é apenas estimativa, mas é útil para ter um parâmetro sobre as proporções de um objeto — uma caixa para entrega ou mala de mão para viagens. Podem não dispensar o uso de uma fita métrica ou régua, contudo qualquer forcinha é válida para essas ocasiões.

Experimentos livres para uso

Os softwares de realidade virtual citados estão todos disponíveis para uso gratuito a partir da página oficial do WebXR Experiments — que devem ser acessadas por um celular Android compatível. Nenhum deles exige downloads ou instalação no dispositivo, mas solicitam o fornecimento de dados — como a localização, no caso do Floom — e o acesso às câmeras para reproduzir as imagens.

Por fim, o Picturescape é o único que ficou de fora das mãos do público. Atualmente, a demonstração foi feita apenas através de vídeos e ele continuará em desenvolvimento nos laboratórios do Google.

A partir dele, o usuário cria uma galeria virtual dos arquivos armazenados no Google Fotos — que poderia ser seu futuro lar. Nesse caso, não tem aplicação prática, mas poderia ser um meio para fazer exposições rápidas das memórias e, quem sabe, estrear como aplicativo para headsets de realidade virtual.

Essas aplicações são todas experimentais, ou seja, apenas descobertas e pequenas ideias da equipe de desenvolvedores do Google. A companhia deixa claro podem nunca chegar de forma oficial para os usuários. Não se sabe, também, quanto tempo vão durar em exposição no WebXR, portanto se é de sua curiosidade, tente conferir as ferramentas assim que possível.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: