Mercado abrirá em 5 h 6 min
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,81
    +0,83 (+1,12%)
     
  • OURO

    1.756,90
    +5,20 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    43.780,92
    +2.932,46 (+7,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.091,83
    -11,23 (-1,02%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.083,94
    +32,46 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    24.178,63
    -13,53 (-0,06%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.352,50
    +33,75 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2498
    -0,0058 (-0,09%)
     

Experimento Dragracer desorbita satélite com "corda" em apenas oito meses

·2 minuto de leitura

No ano passado, a Millennium Space Systems, empresa subsidiária da Boeing, lançou o experimento Dragracer, que contava com dois satélites idênticos, com a única diferença de que um deles tinha um dispositivo em forma de fita. Assim, a ideia era verificar quando tempo cada um levaria para deixar a órbita. Agora, nesta segunda-feira (23), a empresa confirmou o sucesso do procedimento após a finalização da missão.

A fita que equipava um dos satélites, produzida pela Tether Unlimited, cria uma área de superfície adicional que interage com a atmosfera da Terra para criar resistência e, assim, permite que um satélite retorne para a Terra mais rápido. Assim, como resultado do experimento, o satélite com a fita queimou durante a reentrada após oito meses; em paralelo, aquele que não tem o dispositivo irá reentrar naturalmente após cerca de sete anos.

Representação dos satélites para o experimento, com um deles equipado com a corda (Imagem: Reprodução/Millennium Space Systems)
Representação dos satélites para o experimento, com um deles equipado com a corda (Imagem: Reprodução/Millennium Space Systems)

A fita é liberada quando o satélite está pronto para sair de órbita. O experimento mostrou que a tecnologia funciona e que poderá ser mais uma ferramenta que ajudará a aliviar o congestionamento na órbita baixa da Terra, que já conta com inúmeros objetos e ainda vai receber outros milhares ao longo da próxima década. “O que provamos é uma forma de desorbitar satélites aposentados com segurança”, disse Patrick Kelly, gerente do programa Dragracer na Millennium Space.

Segundo Kelly, a tecnologia pesa apenas 1 kg, exige baixas quantidades de energia para ser implantada e pode ser liberada remotamente em solo ou autonomamente pela nave em questão. Além disso, o dispositivo pode ser adaptado para ser usado em naves maiores e precisaria apenas de uma área de superfície maior para criar resistência. "Você pode aumentar isso conforme for necessário", disse. A fita pode ser lançada remotamente do solo ou autonomamente pela nave, podendo ter grande utilidade principalmente para as empresas que estão implementando grandes constelações de satélites.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos