Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.031,98
    +267,72 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.638,36
    -215,01 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,45
    -0,96 (-1,07%)
     
  • OURO

    1.793,70
    -4,40 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    24.106,59
    -168,08 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    572,12
    -18,64 (-3,16%)
     
  • S&P500

    4.297,14
    +16,99 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    33.912,44
    +151,39 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    +8,26 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.673,50
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1785
    0,0000 (0,00%)
     

Expectativas de inflação do consumidor dos EUA diminuem em julho, diz Universidade de Michigan

Consumidores fazem compras em supermercado de Nova York

(Reuters) - Os consumidores dos Estados Unidos reduziram suas perspectivas de inflação em julho, mostrou uma pesquisa-chave nesta sexta-feira, notícia que será bem-vinda para o banco central norte-americano em sua batalha contra o avanço dos preços mais intenso em quatro décadas.

Os consumidores que responderam à pesquisa do Índice de Sentimento do Consumidor da Universidade de Michigan deste mês indicaram que veem a inflação no próximo ano arrefecendo para uma taxa de 5,2%, contra estimativa anterior de 5,3% em junho. Essa é a menor expectativa para o ritmo de aumento de preços dentro de um ano desde fevereiro.

Mais importante para o Federal Reserve, que tem elevado a taxa de juros para diminuir a demanda e reduzir a inflação para sua meta de 2% ao ano, os consumidores norte-americanos esperam que a alta dos preços fique em 2,9% em um horizonte mais longo, de cinco anos, abaixo da leitura final de 3,1% de junho, máxima em mais de uma década.

Mais cedo nesta sexta-feira, uma leitura mostrou que a medida de referência de inflação do Fed acelerou para 6,8% em junho, de 6,3% em maio, a uma máxima em 40 anos.

O sentimento geral do consumidor subiu ligeiramente em julho em relação à mínima recorde de junho, mostrou a pesquisa da Universidade de Michigan. O índice de sentimento geral subiu para 51,1, de 50 em junho, com toda a melhora proveniente de uma melhor visão das circunstâncias atuais.

(Por Dan Burns)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos