Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,46
    -1,20 (-1,45%)
     
  • OURO

    1.797,80
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    58.701,07
    -2.087,79 (-3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.405,46
    -68,87 (-4,67%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.648,42
    +19,68 (+0,08%)
     
  • NIKKEI

    28.765,92
    -332,32 (-1,14%)
     
  • NASDAQ

    15.615,50
    +28,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4197
    -0,0050 (-0,08%)
     

Expectativa para inflação piora

·2 minuto de leitura

Outros indicadores como o PIB e a Selic permaneceram no mesmo patamar. Respectivamente em 5,04% e 8,25% ao ano.

Inflação restritiva por si só

A alta dos preços de diferentes produtos e serviços já vem se tornando restritiva por si só. O dinheiro vem perdendo o seu poder de compra e isso pode ganhar ainda mais força no ano que vem.

Mesmo com as estimativas que a inflação possa perder força e se manter dentro da meta, a inflação no momento ainda mostra resiliência.

A alta de 1% na taxa Selic pode não surtir o efeito desejado e aumentos ainda maiores podem ser necessários para reduzir a inflação.

O cenário de “estagflação” é algo plausível. Em um contexto assim, o Brasil estaria vendo o seu PIB definhar junto de uma inflação alta.

Tecnicamente, a inflação é provocada pelo aumento dos preços, sendo que esse é influenciado por várias coisas.

Dentre elas o descontrole das contas públicas. Mesmo observando uma redução da dívida/PIB, o Brasil não vem conseguindo fazer o seu dever de casa no âmbito fiscal. Sendo que uma das evidências disso, é a tentativa de conseguir postergar parte dos pagamentos dos precatórios, uma vez que o teto de gastos impede o aumento do auxílio Brasil.

Ao analisar toda a situação, o ano de 2022 pode ser desafiador. Ainda mais quando existem eleições para o mesmo ano.

O que fazer para aproveitar as oportunidades ou se defender?

Olhando o cenário com certo pessimismo, o negócio seria alocar parte dos recursos em dólares ou remanejar parte do portfólio para atender uma proteção maior da carteira.

Hoje, o dólar, USD/BRL, já encerrou o dia em alta, cotado a R$ 5,39 (aumento de 1%). O contexto externo também é turbulento, porém, outras moedas não sofreram com a volatilidade.

O USD/CNY registrou desvalorização de 0,1485% e o EUR/USD alcançou depreciação de 0,21%. Às vezes o ouro também pode ser cogitado como um investimento atraente para momentos de crise, mas, como o cenário se agravou no Brasil, o ouro aqui se valoriza devido ao dólar, mas não por motivos do aumento da procura do metal.

É claro que se o caso da Evergrande ganhar novidades piores, então o ouro pode sim fazer parte da proteção do investidor.

Para tentar captar oportunidades no momento, o investimento em renda fixa atrelada ao CDI, pode ser uma boa opção.

Outro investimento interessante é a bolsa. O S&P 500 vem se valorizando em 2021 em  20,06% enquanto o Ibovespa registra queda de 4,44%. Se o Ibovespa corrigir essa disparidade em algum momento, os ganhos serão ótimos.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos