Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,74
    +0,62 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    40.147,46
    +138,92 (+0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    995,64
    -14,96 (-1,48%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.579,90
    -58,63 (-0,20%)
     
  • NIKKEI

    29.356,61
    -84,69 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    14.039,75
    +9,50 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1126
    -0,0053 (-0,09%)
     

Expansão da demanda chinesa por metais pode ter atingido pico

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O crescimento da demanda por metais na China está próximo ou pode ter atingido um pico.

Os mercados de ferrosos sustentaram o avanço após relatórios que mostraram ganhos dos índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) nos setores de construção e aço em maio. No entanto, dados um pouco mais fracos no índice de fábricas podem sinalizar problemas para outros metais se indicarem que a recente alta dos preços está contribuindo para desacelerar o crescimento da manufatura. Os custos de insumos estão agora no maior nível desde 2010, causando pressão sobre empresas de menor porte em particular, segundo números divulgados na segunda-feira.

E, embora o PMI da construção novamente tenha superado o nível de 60 depois de cair em abril, a chegada do verão deve desacelerar a atividade nos canteiros de obras nos próximos meses. A expansão mais fraca do crédito e medidas do governo para esfriar o mercado imobiliário obscurecem ainda mais as perspectivas para o segundo semestre.

O impacto do rali das commodities até agora foi contido entre clientes industriais, mas fábricas, usinas de energia e fazendas na China enfrentam os piores efeitos do aumento dos custos, que ainda não foi repassado aos consumidores.

Os preços ao consumidor e ao produtor subiram, mas o banco central chinês não deve endurecer a política monetária, sob a percepção de que as pressões inflacionárias são transitórias, de acordo com a Bloomberg Economics.

Os altos preços do carvão, entretanto, afetam a produção das fábricas no sul do país. Cerca de 21 cidades de Guangdong, importante província industrial chinesa, estão racionando energia para empresas, pois a recuperação econômica global e o clima quente aumentam a demanda.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.