Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.847,42
    -221,33 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Expansão de big techs tende a desacelerar após trimestre recorde

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Três das maiores empresas do mundo - Apple, Microsoft e Alphabet - divulgaram cerca de US$ 57 bilhões em lucro combinado em um trimestre recorde, aproveitando a retomada dos gastos de consumidores e empresas.

Ainda assim, a reação dos mercados foi morna. Em parte, investidores veem com ceticismo a possibilidade de essas empresas continuarem a apresentar crescimento de dois dígitos nos próximos trimestres.

As maiores empresas de tecnologia do mundo se expandiram em ritmo acelerado. Seus valores de mercado dispararam este ano em meio à recuperação das economias do abalo da pandemia - Apple e Microsoft atingiram US$ 2 trilhões em valor de mercado -, aumentando a pressão para manter o ritmo. Todas as empresas destacaram um cenário positivo, mas o otimismo dos investidores foi moderado por sinais de que o momentum do último ano pode estar diminuindo.

“Todas essas três empresas - Apple, Microsoft, Google - mostram desempenho fenomenal”, disse Jeremy Bryan, gestor da Gradient Investments, em entrevista à Bloomberg TV.

A Microsoft foi a primeira a divulgar balanço na terça-feira, com vendas que superaram as expectativas de analistas pelo décimo trimestre consecutivo.

“Os gastos corporativos com tecnologia são fortes, o que poderia sustentar um crescimento de dois dígitos no ano fiscal de 2022”, disse Anurag Rana, analista da Bloomberg Intelligence. “No entanto, seria difícil para a empresa superar esses números no próximo ano, especialmente porque as comparações ficam mais difíceis.”

A Apple divulgou aumento de 36% da receita, impulsionada por um salto de 50% nas vendas do iPhone, o carro-chefe da empresa. Mas a divisão de hardware da Apple sentirá o impacto da escassez de alguns tipos de chip, e o lucrativo negócio de serviços começa a retornar a um ritmo de crescimento mais baixo e típico, disse o diretor financeiro da Apple, Luca Maestri, em teleconferência com analistas.

Tal cautela, em meio ao aumento de casos relacionados a novas variantes do coronavírus, pode estar se refletindo nas estratégias dos investidores, que já apostaram centenas de bilhões de dólares em ações das maiores empresas de tecnologia. A ação da Apple acumula alta de 11% neste ano até o fechamento de terça-feira, enquanto o preço dos papéis da Alphabet, dona do Google, subiu 51%, e o da Microsoft mostra ganho de 29%.

A Alphabet também registrou números positivos, principalmente na divisão de anúncios do Google, que cresceu 69% na comparação anual, influenciada pelo fraco segundo trimestre de 2020, quando a propagação do coronavírus paralisou a economia e encolheu orçamentos publicitários. Neste ano, o Google se beneficiou com os novos aumentos dos gastos com varejo e viagens, disseram executivos em teleconferência.

“Com a enorme demanda reprimida dos gastos do consumidor saindo da pandemia, empresas de publicidade online continuam a se beneficiar”, disse Christopher Rossbach, diretor de investimentos da J Stern & Co., em relatório após o balanço.

Ainda assim, a Alphabet moderou o otimismo sobre o futuro depois dos fortes resultados trimestrais. Os gastos do consumidor certamente melhoraram, disse a diretora financeira da Alphabet, Ruth Porat, antes de acrescentar: “Acreditamos que ainda é muito cedo para prever as tendências de longo prazo à medida que os mercados reabrem, especialmente devido ao recente aumento de casos de Covid no mundo todo.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos