Mercado fechado

Executivo que criou Globosat deixa Grupo Globo

NELSON DE SÁ
***ARQUIVO***22.06.2010: Retrato de Alberto Pecegueiro, fundador da Globosat. (Foto: Aline Massuca/Valor/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Grupo Globo anunciou nesta segunda (18) o fim das "atividades executivas" de Alberto Pecegueiro na empresa, a partir de janeiro, depois de 25 anos à frente da unidade de TV paga, Globosat.

Ele aceitou convite para se manter como representante do grupo em joint ventures como Telecine, com estúdios de Hollywood, e o Canal Brasil, com produtores do país. O acordo prevê uma quarentena de 30 meses, até que Pecegueiro possa ser contratado por outra empresa do setor.

Segundo o executivo e o grupo, a decisão de sair foi tomada por ele, perto de três anos atrás, e não tem relação com o projeto Uma Só Globo, que vai unir Globo, Globosat e outras numa única empresa também a partir de janeiro.

Aos 62 anos e 45 de trabalho, Pecegueiro disse à reportagem que seu "primeiro projeto é cuidar do último terço da vida", inclusive de dois filhos ainda menores de idade. Mas ele quis deixar um diagnóstico do setor, questionando uma vez mais os que "vaticinam o fim da TV paga no Brasil".

Afirma que "está longe de ser condenada" e que tanto Globosat como Globo acabam de registrar "o melhor outubro da história", em faturamento publicitário. "A mesma coisa está sendo apontada para novembro", o que avalia ser um possível indício de reação na economia.

Pecegueiro admite, por outro lado, que o Brasil vem enfrentando nos últimos anos "a queda mais aguda de assinantes de TV paga" no mundo, o que credita à "longevidade da recessão" e em especial ao desenvolvimento tecnológico, que permitiu o avanço da pirataria.

"A gente tem um dos maiores consumos de TV paga pirata", diz, contrastando a audiência do serviço no Kantar Ibope, de cerca de 34%, com a penetração de assinaturas, que estaria hoje em torno de 25%. "A audiência é incompatível com a base."

Sobre o avanço do streaming, voltou a afirmar que "a conveniência do serviço é indiscutível" e lembrou que sua crítica se concentrou, ao longo dos últimos anos, na "precificação agressiva da Netflix".

Esta "não conseguiu se viabilizar economicamente", ao longo de mais de uma década, e acabou sendo "obrigada a elevar seu preço" no exato momento em que passa a enfrentar novos concorrentes, como Disney, com mensalidades muito inferiores.

Sobre o futuro do setor, Pecegueiro sublinha que o mundo todo vive uma disparada na produção de conteúdo estimulada pelas plataformas de streaming.

"Como o Brasil é praticamente o segundo mercado da Netflix, isso faz dele um foco para todos os novos atores e, é claro, para a Globo", diz. "Os produtores brasileiros estão vendo um boom."

Ao mesmo tempo, acrescenta, enfrenta-se uma "lamentável política de investimentos de comunicação do governo federal", sob Jair Bolsonaro.