Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,88
    +0,74 (+0,87%)
     
  • OURO

    1.834,60
    +2,80 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    35.886,55
    +600,27 (+1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,25 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.213,16
    -309,10 (-1,12%)
     
  • NASDAQ

    14.551,75
    +125,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1793
    -0,0107 (-0,17%)
     

Executivo da Pfizer espera que vacina seja eficaz contra ômicron

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- A Pfizer espera que sua vacina contra a Covid-19 seja eficaz contra a variante ômicron, disse um executivo, e dados sobre o nível de proteção devem estar disponíveis dentro de duas a três semanas.

Most Read from Bloomberg

“Não esperamos uma queda significativa da eficácia”, disse Ralf Rene Reinert, vice-presidente de vacinas para mercados desenvolvidos internacionais, em entrevista à Bloomberg Television. “Mas, novamente, isso é especulação. Vamos verificar isso. Teremos os dados nas próximas semanas.”

Um coro crescente de empresas e autoridades de saúde pública busca tranquilizar a sociedade sobre a eficácia das vacinas, mesmo enquanto cientistas correm para responder questões sobre a gravidade da ômicron, transmissibilidade e capacidade de resistência aos tratamentos atuais. O número de mutações agrupadas na chamada proteína spike da variante, usada pelo vírus para entrar nas células, levantou preocupações ao redor do mundo.

A Pfizer já começou a trabalhar em novas versões de seu imunizante duas vezes, depois do surgimento das cepas beta e delta, e concluiu em ambos os casos que a vacina original fornecia boa proteção, disse Reinert. Agora, cientistas da empresa avaliarão se isso também vale para a ômicron.

“Não é que começamos do zero”, disse Reinert. “Sabemos o que temos que fazer.”

Até lá, é importante continuar com o programa de reforço, de acordo com Reinert. A Pfizer realiza testes para verificar se os anticorpos de pessoas vacinadas podem neutralizar o coronavírus, ao mesmo tempo em que analisa dados de eficácia para detectar casos de infecção pela ômicron em indivíduos imunizados, segundo o executivo.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos