Mercado fechará em 4 h 43 min
  • BOVESPA

    109.366,00
    -2.173,80 (-1,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.958,69
    +276,50 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,80
    +1,05 (+1,76%)
     
  • OURO

    1.708,30
    -25,30 (-1,46%)
     
  • BTC-USD

    50.755,70
    +1.389,80 (+2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,63
    +26,54 (+2,69%)
     
  • S&P500

    3.839,27
    -31,02 (-0,80%)
     
  • DOW JONES

    31.335,90
    -55,62 (-0,18%)
     
  • FTSE

    6.628,78
    +15,03 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.893,00
    -162,25 (-1,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9179
    +0,0558 (+0,81%)
     

Petrobras amplia prazo para cálculo da paridade de combustíveis

Sabrina Valle
·3 minuto de leitura
Caminhão-tanque em refinaria da Petrobras em Canoas (RS)

Por Sabrina Valle

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras confirmou nesta sexta-feira que ampliou de três meses para um ano o prazo em que calcula a paridade internacional de preços dos combustíveis, o que confirma reportagem publicada mais cedo pela Reuters.

A regra permite à empresa praticar preços de gasolina e diesel acima ou abaixo da paridade de importação durante determinado período, desde que essa diferença "seja mais do que compensada" posteriormente dentro do prazo previsto, disse a estatal em comunicado nesta sexta-feira.

Antes, o período para que fosse encontrado esse equilíbrio era de três meses. A Petrobras disse no comunicado que a mudança ocorreu no primeiro semestre de 2020 "dada a alta significativa da volatilidade de preços de combustíveis".

A Reuters publicou mais cedo que a alteração no prazo foi feita em dezembro, com informação de fontes.

Essa é a primeira vez em quase dois anos que o período utilizado internamente pela Petrobras para cálculo da flutuação de preços é revelado.

A informação vem à tona em momento em que caminhoneiros têm pressionado o governo com queixas sobre os preços do diesel e outras demandas, inclusive com uma ameaça de greve neste mês que acabou tendo pouca adesão. Governo e Petrobras negam interferência política.

As ações da Petrobras, que subiram 3% a maior parte do dia, reduziram ganhos após a publicação da reportagem e chegaram a operar no território negativo. Os papéis preferenciais encerraram com alta de 0,69%, contra ganhos de 0,82% do índice Ibovespa.

Em comunicado ao mercado depois da reportagem da Reuters, a Petrobras disse que teve fortes resultados operacionais. A empresa disse que o ajuste de prazos em sua política "não afetou o desempenho financeiro" da companhia e defendeu que tem "independência na determinação dos preços dos combustíveis".

CAMINHONEIROS NO RADAR Em 17 de dezembro, o presidente Jair Bolsonaro disse em uma transmissão ao vivo pela internet que ligou para o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, para entender por que os preços do diesel subiram, e que ele estava fazendo o possível para ajudar os caminhoneiros.

Castello Branco, porém, afirmou na semana passada que as demandas dos caminhoneiros não são problema da Petrobras.

Nesta sexta-feira, o CEO da estatal disse que o governo nunca interferiu em preços dos combustíveis durante seu mandato à frente da companhia, iniciado em 2019.

O presidente Bolsonaro também disse nesta sexta-feira que nunca atuou para interferir nos preços da empresa.

Em 2018, o então presidente da Petrobras Pedro Parente renunciou após uma greve de caminhoneiros, descontentes com a política de reajustes diários da empresa.

Enquanto caminhoneiros reclamam do valor atual do diesel, importadores privados dizem que a Petrobras está vendendo combustíveis com prejuízo, dificultando suas importações, uma alegação que a companhia nega.

A Petrobras não divulga os detalhes de seu método de cálculo da paridade, que inclui variáveis como preço do petróleo, câmbio e custo até o ponto de venda. A empresa diz que opera acima do preço de custo.

Analistas apontam que a empresa pode, mesmo não operando com prejuízo, perder a oportunidade de lucro maior, ao não alinhar os preços com o mercado internacional.

A nova política dá à Petrobras mais tempo antes de fechar as contas sobre o impacto contábil das oscilações de preços internacionais, dando-lhe flexibilidade para manter seus preços nas refinarias por um período mais longo e manter mercado.