Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,18
    -0,31 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.870,80
    +2,80 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    43.372,39
    -787,82 (-1,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.215,61
    -37,53 (-2,99%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.176,75
    -35,25 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4302
    +0,0001 (+0,00%)
     

EXCLUSIVO-Governo alemão revisa previsão de crescimento para 2021 após trimestre forte, diz fonte

Holger Hansen
·1 minuto de leitura
Local de testagem para Covid-19 em Berlim

Por Holger Hansen

BERLIM (Reuters) - O governo alemão elevou sua projeção de crescimento para este ano a 3,5%, em comparação com o crescimento de 3% esperado em janeiro, disse uma fonte, acrescentando que a revisão para cima foi justificada por um aumento mais forte do que o esperado no quarto trimestre.

A fonte acrescentou que o governo espera que a Alemanha, maior economia da Europa, cresça 3,6% em 2022.

O Ministério da Economia se recusou a comentar os números. O governo deve apresentar sua previsão de crescimento econômico para 2021 nesta terça-feira.

Os principais institutos econômicos da Alemanha disseram no início deste mês que esperam que o Produto Interno Bruto cresça 3,7% neste ano e 3,9% em 2022.

A moral das empresas alemãs melhorou ligeiramente em abril, uma vez que uma terceira onda de infecções por Covid-19 e uma escassez de semicondutores no setor automotor desaceleraram a recuperação na maior economia da Europa, mostrou uma pesquisa nesta segunda-feira.

Os fabricantes voltados para a exportação estão atualmente se beneficiando da maior demanda da China e dos Estados Unidos, enquanto os serviços com foco interno estão sofrendo com a ampliação das restrições para conter uma terceira onda de infecções por Covid-19.

(Por Holger Hansen)